Os líderes da UE desperdiçam outros 50 bilhões de euros no apoio ao regime de Kiev… e na autodestruição

Os regimes elitistas europeus estão a travar uma guerra na Europa contra a Rússia movida a energia nuclear, desperdiçando o dinheiro do público para esbanjar uma máfia neo-nazi em Kiev.

fotos

Finalmente, as ameaças, a chantagem e a pressão exercida pela União Europeia valeram a pena para fazer avançar um gigantesco pacote de ajuda de 50 bilhões de euros ao regime irremediavelmente corrupto de Kiev. Isto ocorre enquanto os agricultores europeus se revoltam contra a liderança da UE devido aos custos mais elevados da energia e às importações baratas da Ucrânia, que os estão a pôr fora do mercado e a destruir os seus meios de subsistência.

Os líderes da UE estão a levar todo o bloco de 500 milhões de pessoas ao suicídio político. A atitude imprudente e arrogante é algo para se ver. Traga os forcados, Merci!

Os 27 líderes da União Europeia reuniram-se numa  cimeira de emergência  esta semana, não para lidar com os crescentes problemas políticos, econômicos e sociais internos do bloco, mas sim para fornecer montanhas de mais ajuda à Ucrânia, que não é membro.

Quando os líderes realizaram a sua última cimeira em Dezembro, foi um espectáculo de calúnias e disputas sórdidas. Nessa reunião, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, vetou a atribuição de mais fundos ao regime ucraniano, no meio de amargas recriminações e disputas. Desta vez, porém, a Hungria cedeu à intensa pressão para chegar a acordo sobre o pacote.

Dias antes da cimeira em Bruxelas esta semana, foi  noticiado  pelo Financial Times que o Conselho Europeu tinha elaborado planos para sabotar a economia húngara se Budapeste persistisse em não aderir ao enorme plano de ajuda. Isto diz muito sobre a mentalidade perversa no ápice da burocracia da UE. Demonstra o carácter antidemocrático do bloco, apesar das alegações pretensiosas em contrário.

Bruxelas já tinha congelado até 10 bilhões de euros em financiamento central para a Hungria e houve relatos de ameaças de retirar os direitos de voto de Budapeste na tomada de decisões do bloco, o que teria sido uma violação flagrante do princípio declarado da unanimidade pela UE.

A atribuição de 50 bilhões de euros a um Estado terceiro é surpreendente. Ainda mais desconcertante é que a mais recente generosidade representa apenas uma fração da ajuda total que a liderança da UE injectou na Ucrânia desde que a guerra por procuração contra a Rússia eclodiu em Fevereiro de 2022. Nos últimos dois anos, a União Europeia deu ao regime de Kiev um valor  estimado em  100 bilhões de euros.

Os Estados Unidos e outros aliados ocidentais também forneceram à Ucrânia mais 100 bilhões de euros. Cerca de metade deste montante vai para armas, enquanto a outra metade paga financiamento estatal.

Como já aqui referimos  anteriormente , o financiamento cumulativo do Ocidente à Ucrânia excedeu em muito o histórico Fundo Marshall que os EUA atribuíram a toda a Europa para a reconstrução após a Segunda Guerra Mundial (cerca de 170 bilhões de euros no dinheiro atual).

Simplesmente não existe precedente ou razão justificável para esta mobilização de apoio financeiro à Ucrânia. Tudo isto foi feito como um fato consumado por uma classe de elite sem mandato democrático. Não foram realizados referendos para consultar o público sobre as despesas excessivas. Na verdade, as sondagens indicam que o público europeu – tal como o público americano – se opõe ao apoio dos seus governos à Ucrânia.

A administração Biden está a competir com a crescente resistência no Congresso para enviar à Ucrânia mais 60 bilhões de dólares.

Para completar, o regime de Kiev sob o presidente fantoche Vladimir Zelensky é sinônimo de corrupção e repressão desenfreadas. Fontes do Pentágono admitem que algo como 400 milhões de dólares em gastos militares foram desviados pela junta de Kiev. O número real é plausivelmente ainda maior.

A grotesca atribuição de recursos financeiros à Ucrânia não tem nada a ver com o apoio à democracia ou com a defesa do país da alegada agressão russa.

Os líderes da UE, como o chanceler alemão, Olaf Scholz, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, continuam a repetir um mantra sobre  a defesa  da Ucrânia porque, dizem eles, se for derrotada, toda a Europa corre o risco de ser invadida pela Rússia. Este é o alarmismo mais absurdo por parte de políticos que estão ideologicamente cegos pela russofobia e escravos da propagação da hegemonia ocidental.

Diz-se abertamente que a última injecção de 50 bilhões de euros a um regime ucraniano viciado em guerra é para sustentar o seu governo e pagar salários e serviços. Por outras palavras, a Ucrânia é um Estado falido e, no entanto, espera-se que os cidadãos, trabalhadores e agricultores europeus – que subsistem em tempos econômicos difíceis – financiem uma conspiração corrupta.

Além disso, as dificuldades que dezenas de milhões de cidadãos europeus enfrentam são um resultado direto do fato de os seus líderes políticos e a elite burocrática de Bruxelas cederem à agenda de hostilidade dos Estados Unidos para com a Rússia.

Essa agressão liderada pelos EUA, que remonta ao golpe de Estado instigado pela CIA em Kiev, em 2014, para levar um regime neonazista ao poder, sabotou a economia da Europa. Os líderes europeus serviram traiçoeiramente os interesses geopolíticos de Washington e não os dos europeus comuns. A imposição insana de sanções à Rússia levou a enormes aumentos nos preços da energia que dizimaram as empresas europeias e os padrões de vida dos consumidores, trabalhadores e agricultores.

Os custos de produção mais elevados são um fator importante nos protestos crescentes por parte dos agricultores em toda a Europa. Outro fator é a importação antidemocrática pela UE de produtos agrícolas mais baratos da Ucrânia, como um incentivo ao regime de Kiev. Estas importações prejudicaram os agricultores de toda a Europa, na Alemanha, França, Itália, Países Baixos, Polónia, Roménia, Hungria e países bálticos.

O escandaloso abuso de fundos europeus para apoiar um regime fascista corrupto que reprime violentamente os adversários políticos, os meios de comunicação social e a Igreja Ortodoxa, e glorifica os colaboradores nazis, tem um objetivo fundamental – prolongar uma guerra por procuração contra a Rússia. O objetivo dessa guerra é a eventual subjugação estratégica.

Os regimes ocidentais estão tão falidos e impotentes face às suas economias capitalistas quebradas que procuram explorar a vasta riqueza natural da Rússia. Esta é a continuação da política Lebensraum da Alemanha Nazista pelos imperialistas ocidentais.

A Ucrânia perdeu a guerra por procuração contra a Rússia. É um desastre vergonhoso e criminoso. Cerca de 500 mil soldados ucranianos foram mortos nos últimos dois anos por forças russas superiores. O vil regime de Kiev, claro, quer manter o barulho da guerra devido à sua insaciável fraude. Washington e os seus vassalos europeus em altos cargos querem manter a guerra em andamento devido à ambição imperial elitista, uma ambição que é, em última análise, fútil na nova ordem global multipolar emergente.

Enquanto os líderes europeus estavam reunidos no Conselho Europeu em Bruxelas, o parlamento foi bloqueado por agricultores furiosos de toda a Europa. Os manifestantes  chamavam  os políticos pelo nome. O desprezo é palpável. Paris e outras capitais da Europa estão a ser sitiadas por pontos de estrangulamento nas autoestradas. Como resultado, as economias nacionais estão à beira do abismo.

Poderíamos até perceber que os agricultores europeus em França, Alemanha, Bélgica e noutros lugares estão a implementar táticas semelhantes às dos Iemenitas no Mar Vermelho. Aperte os pontos de estrangulamento e observe o império se contorcer.

Você não poderia inventar essa farsa. Os regimes elitistas europeus estão a travar uma guerra na Europa contra a Rússia movida a energia nuclear, desperdiçando o dinheiro do público para esbanjar uma máfia neo-nazi em Kiev e, ao fazê-lo, tornando a vida dos cidadãos europeus ainda mais difícil. O resultado é um suicídio político e econômico para a União Europeia.

A UE irá realizar eleições parlamentares em Junho, num contexto de aumento dramático de partidos anti-UE ou eurocépticos. Dois anos de guerra sem sentido na Ucrânia estão a fomentar o desgosto popular para com a classe de elite. A raiva que existe pode nem sequer ser contida através do voto nas eleições. A fúria parece ir além de fazer pequenos Xs em uma caixa. Um colapso está chegando e cabeças vão rolar.

strategic-culture.su

Related Posts
A UE no fio da navalha
fotos

E segue-o sem honra nem glória num inevitável declínio da economia à cultura. Nem algo diferente era de esperar. Aquilo [...]

Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza
fotos

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em [...]

O Eixo da Assimetria assume a ‘ordem baseada em regras’
fotos

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a [...]

Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!