Será que o Hegemon algum dia aceitará uma nova ordem mundial da Vestfália?

Não haverá um caminho pacífico para a ordem mundial da Vestefália. Apertem os cintos – será uma viagem acidentada.

fotos

Por Pepe Escobar

Um novo livro do estudioso Glenn Diesen, The Ukraine War & The Eurasian World Order,  lançado em meados de fevereiro, coloca a questão decisiva do jovem século 21:  O Hegemon aceitará uma nova realidade geopolítica, ou será que vai ser igual ao Capitão Ahab em Moby Dick e arrastar todos nós para as profundezas de um abismo – nuclear?

Um toque extra de beleza poética é que a análise é conduzida por um escandinavo. Diesen é professor da Universidade do Sudeste da Noruega (USN) e editor associado da revista Russia in Global Affairs. Ele passou pela Escola Superior de Economia de Moscou, trabalhando em estreita colaboração com o inimitável Sergey Karaganov.

Escusado será dizer que os meios de comunicação europeus não lhe tocam; gritos raivosos – “Putinista!” – prevalecem, incluindo na Noruega, onde tem sido um dos principais alvos da cultura do cancelamento.

Isso é irrelevante, de qualquer maneira. O que importa é que Diesen, um homem afável, infalivelmente educado e um estudioso extremamente perspicaz, está alinhado com a nata rarefeita da cultura que faz as perguntas que realmente importam; entre elas, se estamos a caminhar para uma ordem mundial eurasiática-vestfaliana.

Para além de uma desconstrução meticulosa da guerra por procuração na Ucrânia que desmascara devastadoramente, com fatos comprovados, a narrativa oficial da NATOstão, Diesen oferece uma mini-história concisa e facilmente acessível de como chegámos aqui.

Ele começa a defender o argumento remetendo para as Rotas da Seda: “A Rota da Seda foi um dos primeiros modelos de globalização, embora não tenha resultado numa ordem mundial comum, uma vez que as civilizações do mundo estavam principalmente ligadas a intermediários nómades.”

O fim da Rota da Seda baseada na China, na verdade das estradas, foi causado pela ascensão das potências talassocráticas europeias que reconectaram o mundo de uma forma diferente. No entanto, a hegemonia do Ocidente coletivo só poderia ser plenamente alcançada através da aplicação do Divide and Rule em toda a Eurásia.

De fato, não tivemos “cinco séculos de domínio ocidental”, segundo Diesen: foram mais como três, ou mesmo dois (ver, por exemplo, o trabalho de Andre Gunder Frank). Em uma visão histórica de longo prazo que mal é registrada.

O que é de fato o Grande Quadro agora é que “a ordem mundial única” produzida pelo controle “do vasto continente euro-asiático a partir da periferia marítima está a chegar ao fim”.

Mackinder é atropelado por um trem

Diesen acerta em cheio quando se trata da parceria estratégica Rússia-China – sobre a qual a esmagadora maioria dos intelectuais europeus não tem noção (uma exceção crucial é o historiador, demógrafo e antropólogo francês Emmanuel Todd, cujo último livro analisei aqui ).

Com uma formulação encantadora sobre a estrada, Diesen mostra como “a Rússia pode ser considerada a sucessora dos nómades mongóis como o último guardião do corredor terrestre da Eurásia”, enquanto a China revive as Antigas Rotas da Seda “com conectividade econômica”. Em consequência, “uma poderosa atração gravitacional eurasiana está assim a reorganizar o supercontinente e o resto do mundo”.

Para contextualizar, Diesen precisa de se empenhar num desvio obrigatório aos fundamentos do Grande Jogo entre os impérios Russo e Britânico. O que se destaca é como Moscou já estava a orientar-se para a Ásia até ao final do século XIX, quando o Ministro das Finanças russo, Sergei Witte, começou a desenvolver um roteiro inovador para uma economia política da Eurásia, “tomando emprestado de Alexander Hamilton e Friedrich List”.

Witte “queria acabar com o papel da Rússia como exportadora de recursos naturais para a Europa, uma vez que se assemelhava às ‘relações dos países coloniais com as suas metrópoles’”.

E isso implica voltar a Dostoiévski, que argumentou que “os russos são tão asiáticos como europeus. O erro da nossa política nos últimos dois séculos foi fazer com que os povos da Europa acreditassem que somos verdadeiros europeus (…) Será melhor para nós procurarmos alianças com os asiáticos.” Aqui Dostoiévski encontra Putin-Xi.

Diesen também precisa de passar pelas referências obrigatórias à obsessão “heartland” de Mackinder – que é a base de toda a geopolítica anglo-americana nos últimos cento e vinte anos.

Mackinder ficou assustado com o desenvolvimento das ferrovias – especialmente a Transiberiana dos russos -, pois isso permitiu que Moscou “imitasse as habilidades nômades dos citas, hunos e mongóis”, essenciais para controlar a maior parte da Eurásia.

Mackinder estava particularmente concentrado nas ferrovias que atuavam “principalmente como alimentadoras do comércio marítimo”. Portanto, ser uma potência talassocrática não era suficiente: “The heartland é a região à qual, sob condições modernas, o poder marítimo pode ter seu acesso negado”.

E é isso que leva à Pedra de Roseta da geopolítica anglo-americana: “prevenir o surgimento de uma hegemonia ou de um grupo de Estados capazes de dominar a Europa e a Eurásia que possam ameaçar a potência marítima dominante”.

Isto explica tudo, desde a Primeira e a Segunda Guerra Mundial até à obsessão permanente da OTAN em impedir uma aproximação sólida entre a Alemanha e a Rússia, por todos os meios necessários.

O Pequeno Timoneiro Multipolar

Diesen oferece uma perspectiva sucinta dos eurasianistas russos da década de 1920, como Trubetskoi e Savitsky, que promoviam um caminho alternativo à URSS.

Conceitualizaram que, com a talassocracia anglo-americana a aplicar o Divide and Rule na Rússia, o que era necessário era uma economia política eurasiana baseada na cooperação mútua: uma prefiguração nítida do impulso Rússia-China para a multipolaridade.

Na verdade, Savitsky poderia estar escrevendo hoje: “A Eurásia desempenhou anteriormente um papel unificador no Velho Mundo. A Rússia contemporânea, absorvendo esta tradição”, deve abandonar a guerra como método de unificação.

Sugestão para o pós-Maidan em 2014. Moscou finalmente recebeu a mensagem de que tentar construir uma Grande Europa “de Lisboa a Vladivostok” não seria um sucesso. Assim nasceu o novo conceito de Grande Parceria Eurasiática. Sergey Karaganov, com quem Diesen trabalhou na Escola Superior de Economia, foi o pai do conceito.

A Parceria da Grande Eurásia reposiciona a Rússia “da periferia da Europa e da Ásia para o centro de uma grande super-região”. Em suma, um pivô para Leste – e a consolidação da parceria Rússia-China.

Diesen desenterrou uma passagem extraordinária nas Obras Selecionadas de Deng Xiaoping, provando como o Pequeno Timoneiro em 1990 era um visionário prefigurando a China multipolar:

“No futuro, quando o mundo se tornar tripolar, quadripolar ou cinco polar, a União Soviética, por mais enfraquecida que esteja e mesmo que algumas das suas repúblicas se retirem dela, ainda será um pólo. No chamado mundo multipolar, a China também será um pólo (…) As nossas políticas externas permanecem as mesmas: primeiro, opondo-nos ao hegemonismo e à política de poder e salvaguardando a paz mundial; e segundo, trabalhar para estabelecer uma nova ordem política internacional e uma nova ordem económica internacional.”

Diesen analisa tudo, observando como a China, até certo ponto, “replicou o sistema americano de três pilares do início do século XIX , no qual os EUA desenvolveram uma base industrial, infra-estrutura de transporte físico e um banco nacional para combater a hegemonia econômica britânica”.

Entrar na Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) da China; a Organização de Cooperação de Xangai (OCX); o AIIB; a campanha de desdolarização; o Sistema de Pagamentos Internacionais da China (CIPS); aumento da utilização do yuan no comércio internacional; a utilização de moedas nacionais; O made inChina 2025; A Rota da Seda Digital; e por último, mas não menos importante, o BRICS 10 e o NDB, o banco de desenvolvimento do BRICS.

A Rússia igualou alguns deles – como no Banco de Desenvolvimento da Eurásia (EDB) da União Econômica da Eurásia (EAEU) e no avanço da harmonização dos acordos financeiros dos projetos BRI e EAEU através da SCO.

Diesen é um dos poucos analistas ocidentais que realmente compreende o impulso para a multipolaridade: “O BRICS+ é anti-hegemonia e não antiocidental, pois o objectivo é criar um sistema multipolar e não afirmar o domínio colectivo sobre o Ocidente”.

Diesen também afirma que a emergente Ordem Mundial Eurasiática é “aparentemente baseada em princípios conservadores”. Isso é correto, uma vez que o sistema chinês está impregnado de confucionismo (integração social, estabilidade, relações harmoniosas, respeito pela tradição e hierarquia), parte do aguçado sentimento de pertencer a uma civilização distinta e sofisticada: essa é a base da construção da nação chinesa.

Não é possível derrubar a Rússia-China

A análise detalhada de Diesen da guerra por procuração na Ucrânia, “uma consequência previsível de uma ordem mundial insustentável”, é extrapolada para o campo de batalha onde o futuro, a nova ordem mundial, está a ser decidido; é “ou a hegemonia global ou a multipolaridade vestfaliana”.

Qualquer pessoa com cérebro sabe agora como a Rússia absorveu e retransformou tudo o que foi lançado pelo Ocidente coletivo após o início da Operação Militar Especial (SMO). O problema é que a plutocracia rarefeita que realmente comanda o espetáculo irá sempre recusar-se a reconhecer a realidade, como Diesen a enquadra: “Independentemente do resultado da guerra, a guerra já se tornou o cemitério da hegemonia liberal”.

A esmagadora maioria do Sul Global vê claramente que, mesmo quando o que Ray McGovern definiu indelevelmente como MICIMATT (complexo militar-industrial-Congresso-inteligência-mídia-academia-think tank) elege a parceria Rússia-China como as principais “ameaças” – em realidade, aqueles que criaram a “força gravitacional para reorganizar a ordem mundial em direção à multipolaridade” – não podem derrubar a Rússia-China geoeconomicamente.

Portanto, não há dúvida de que “os conflitos da futura ordem mundial continuarão a ser militarizados”. É aí que estamos na encruzilhada. Não haverá um caminho pacífico para a ordem mundial da Vestefália. Apertem os cintos – será uma viagem acidentada.

strategic-culture.su

Related Posts
Transcendendo Avdeevka
fotos

É claro que a guerra por procuração na Ucrânia não terminará com Adveevka, e a batalha no sopé de Donetsk, [...]

Eixo da Resistência: do Donbass a Gaza
fotos

A resistência no Donbass e em Gaza partilham uma visão comum essencial: derrubar a hegemonia unipolar que anulou as suas [...]

Guerra com o Irã inviável para os EUA
fotos

Washington é forçado a responder indiretamente aos ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país [...]

‘Enxameando’ os EUA na Ásia Ocidental, até que desmorone
fotos

Os EUA estão tão profundamente atolados numa batalha invencível desde o Levante até ao Golfo Pérsico que apenas os seus [...]

Como a ‘asabiyya’ do Iêmen está a remodelar a geopolítica
fotos

A palavra árabe Asabiyya, ou “solidariedade social”, é uma frase de efeito no Ocidente, mas levada muito a sério pelos [...]

Está em marcha um golpe continental silencioso resolvido pelos EUA
fotos

A Argentina é pivô de uma nova etapa na estratégia de domínio continental dos Estados Unidos, a partir da eleição [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!