Os sauditas deram as costas aos Estados Unidos

Na tentativa de conter os preços do petróleo, os EUA tentam negociar até com seus piores inimigos

biden
O príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman quanto o xeque dos Emirados Árabes Unidos Mohammed bin Zayed al Nahyan recusaram os pedidos dos EUA para falar com o presidente Biden nas últimas semanas. Foto: REUTERS

A edição americana do The Wall Street Journal subitamente escreveu sobre o isolamento internacional dos… Estados Unidos. A Casa Branca tentou, sem sucesso, organizar conversas telefônicas entre o presidente Biden e os líderes de fato da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, relata a publicação, enquanto os EUA trabalhavam para construir apoio internacional à Ucrânia e conter os preços do petróleo no Oriente Médio, disse autoridades dos EUA.

Acontece que tanto o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman quanto o xeque dos Emirados Árabes Unidos Mohammed bin Zayed al Nahyan recusaram os pedidos dos EUA para falar com o presidente Biden nas últimas semanas. Além disso, as autoridades da Arábia Saudita e dos Emirados se tornaram mais ásperas nas últimas semanas em suas críticas à política dos EUA no Golfo Pérsico. Biden, de 79 anos, no entanto, conseguiu em 9 de fevereiro conversar com o pai  do príncipe Mohammed,  o rei Salman de 86 anos. Eles, como convém às pessoas nesta idade, confirmaram a longa parceria de seus países. Mas o presidente dos EUA ainda não conseguiu entrar em contato com o verdadeiro governante do país, o príncipe herdeiro.

A Casa Branca deve estar particularmente preocupada pelo fato de que, como o The Wall Street Journal aponta, “tanto o príncipe Mohammed quanto o xeque Mohammed responderam aos telefonemas do presidente russo Vladimir Putin na semana passada depois de se recusarem a falar com Biden”.

Washington tem uma longa e muito forte relação com as monarquias do Golfo Pérsico. Sua complicação atual começou sob Trump e Biden, com sua moralização democrática, os abalou ainda mais. As contradições entre eles estão ligadas à política em relação ao Irã, ao assassinato do jornalista Khashoggi e à guerra civil no Iêmen. Muita coisa se acumulou ali. Mas agora Biden precisa desesperadamente dos sauditas e dos Emirados para derrubar o aumento excessivo dos preços do petróleo, que já ultrapassou US $ 130 por barril pela primeira vez em 14 anos.

Ao anunciar ontem que os Estados Unidos estavam desistindo do petróleo e do gás russos, o presidente dos EUA apenas estimulou os preços galopantes para eles. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, enfatiza o Wall Street Journal, são os dois únicos grandes produtores de petróleo que podem aumentar drasticamente a capacidade de produção, o que pode ajudar a acalmar o mercado. Mas os sauditas e os Emirados se recusaram a bombear mais petróleo, dizendo que estão aderindo a um plano de produção aprovado por seu grupo Opep e um grupo de outros produtores liderados pela Rússia. A aliança energética com a Rússia, um dos maiores produtores mundiais de petróleo, reforçou o poder da OPEP, e também aproximou sauditas e Emirados de Moscou, a publicação é obrigada a admitir. É verdade, ele imediatamente acrescenta: “A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse no início desta semana, que não há planos de falar com o príncipe Mohammed sobre petróleo tão cedo e que Biden não tinha planos de ir para a Arábia Saudita”. E o que mais você pode dizer quando precisa fazer uma cara boa em um jogo ruim.

A história, quem duvidaria, anda em espiral. Lembre-se: no final dos anos 80, o presidente Reagan concordou com os sauditas em um aumento acentuado na produção de petróleo. O mercado de petróleo caiu para US$ 9 por barril.

Para a União Soviética, o petróleo era a principal fonte de moeda para a compra de bens de consumo. A “conspiração do petróleo” contra a URSS, é claro, piorou sua situação econômica e agravou a situação social. Agora tudo é exatamente o oposto. Os Estados Unidos estão tentando persuadir Riad a aumentar a produção para reduzir os preços e, em troca, recebem: estamos satisfeitos com os acordos, inclusive com a Rússia, para conter a produção.

“Estava tudo apenas no papel, mas eles esqueceram as ravinas” – essa é exatamente a situação em que os americanos se encontravam. O mercado mundial de petróleo é bem calculado por especialistas e, por mágica, nas mãos de Biden não aumentará a ponto de substituir o petróleo russo “cancelado” por Washington. Além disso, os principais produtores de “ouro negro” desenvolveram relações construídas ao longo dos anos, levando em conta seus próprios interesses e muitos fatores políticos. Assim, emissários americanos correm pelo mundo na tentativa de encontrar fornecedores compatíveis. E, ao mesmo tempo, já chegaram à completa desgraça: estão tentando negociar, inclusive com o Irã e a Venezuela – países que eles mesmos conduziram sob as mais severas sanções, proibindo-os de comercializar seu petróleo. Afinal, isso é um enfraquecimento da própria ideia de sanções: se você se comportar mal, será encurralado! E de repente o próprio “educador” vai até ao “punido” e se rende.

Algo muito significativo já aconteceu no mundo, que os americanos e o Ocidente liderado por eles ainda não entenderam completamente. Ao acusar a Rússia de usar seus recursos energéticos como uma “arma”, os EUA estão vendendo sua “liberdade de petróleo e gás” para a Europa, tomando-a praticamente sob controle absoluto. Embora, ao mesmo tempo, Moscou ainda não tenha violado nenhuma de suas obrigações de fornecer aos europeus seus transportadores de energia. Mas os americanos decidiram fazer armas de petróleo, que não lhes pertenciam, o que os ajudou na luta contra a URSS. Mas – uma chatice. Os tempos são outros, mas na “cidade da colina” ainda vivem de acordo com os antigos calendários.

Aliás, é muito interessante ver como os vendedores ocidentais de sanduíches, fraldas, perfumes e cosméticos se unem às sanções contra a Rússia. Em primeiro lugar, isso prova mais uma vez: as contas também são uma arma dos colonialistas. Em segundo lugar, muito obrigado a todos que saem: não poderíamos liberar o local para nossos fabricantes nessas áreas – somos muito dependentes dos bens de consumo de “marca” produzidos pelo Ocidente na Ásia. Bem, sabe-se que um lugar santo nunca está vazio!

Fonte: kp.ru

Related Posts
Assim o neoliberalismo capturou a família
fotos

Nos anos 60, o sistema saiu em defesa desta instituição: desmontar o Estado, exigia que ela assumisse o ônus do [...]

O que nos dizem os mercados financeiros sobre Israel e a Ucrânia?
fotos

Uma série de drones russos, iranianos e até chineses deveria servir como um lembrete de que o mercado de ações, [...]

A bala de prata contra as invasões bárbaras do Ocidente: desdolarização do sistema internacional
fotos

A desdolarização é urgente como um imperativo ético e humanitário contra as invasões bárbaras do Ocidente

Os BRICS lançarão um novo mundo em 2024?
fotos

Os BRICS duplicaram o seu número de membros no início de 2024 e enfrentam enormes tarefas pela frente: integrar os [...]

A Internacionalização do Choque Neoliberal
fotos

Olhar para os dias de hoje, sob a luz da formulação revelada pela obra "A Doutrina do Choque", de Astrid [...]

Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

Compartilhar:

3 thoughts on “Os sauditas deram as costas aos Estados Unidos

  1. Até hoje eu não tinha visto uma matéria tão verdadeira e sincera quanto é essa, meus parabéns pela publicação.👏👏👏🇧🇷🇷🇺🇨🇳☮️☮️☮️

Deixe um comentário

error: Content is protected !!