Os sociopatas serão calculados pelo DNA?

Numerosos episódios associados a “atiradores escolares” e agressões em geral entre adolescentes e jovens levam à ideia de que seria necessário fazer “prevenção” de comportamentos anti-sociais na infância.

DNA

Assim, os cientistas russos acreditam que o desenvolvimento da sociopatia pode ser influenciado por certas características genéticas, “calculando” quais, é possível reduzir o risco de comportamento desviante no futuro.

Procurando desvios

No início deste ano, uma experiência incomum começou nas escolas de Novosibirsk no âmbito do programa “Psicogenética do Comportamento Desvio em Adolescentes nas Condições de Organizações Educacionais”. O centro da cidade de educação e saúde “Master”, a empresa privada “VedaGenetics”, a Novosibirsk State Medical University e o Instituto de Citologia e Genética participaram do projeto. O objetivo da pesquisa é entender se é possível corrigir o comportamento ou o desenvolvimento de uma criança, conhecendo algumas de suas características inatas.

Eles fizeram testes de DNA com os alunos da quinta ou décima primeira série. Em seguida, os cientistas começaram a pesquisar as mutações genéticas responsáveis:

  • para inteligência,
  • Habilidades criativas
  • e o nível de agressão.
  • Para determinar a correlação entre genes e traços de personalidade, as crianças foram submetidas a testes psicológicos.

Até o momento, de acordo com Maria Gladkikh, chefe do Departamento de Psicologia de Crise do Magister Center, os resultados preliminares já foram obtidos, mas não estão sujeitos a ampla publicidade. No entanto, resulta de artigos publicados individuais que os portadores de uma das variantes do gene do receptor D4 da dopamina são propensos a buscar novidades e, ao mesmo tempo, a um comportamento anti-social. Eles também têm bons dados esportivos e costumam escolher profissões associadas a riscos – militar, funcionário do Ministério de Situações de Emergência.

No entanto, de acordo com Olga Shchagina, chefe do laboratório de diagnóstico genético molecular nº 1 do Centro de Pesquisa Genética Médica de Bochkov, a sociopatia pode não se manifestar de forma alguma durante a vida da pessoa com o gene correspondente.

Portanto, não faz sentido tentar corrigir algo até que surjam desvios específicos no comportamento, acredita o pesquisador.

Reação a estímulos

Especialistas estrangeiros também estão envolvidos em pesquisas semelhantes. Em 2013, cientistas da Universidade de Michigan (EUA) desenvolveram uma série de testes voltados para crianças com mais de três anos. O objetivo do teste é identificar aqueles que são potencialmente propensos a comportamento anti-social, como roubo, agressão ou vandalismo. Isso mesmo em uma idade precoce pode ser evidenciado por:

  • explosões de raiva;
  • crueldade com animais,
  • bem como comportamento egoísta
  • e tendência a mentir.

Como acreditam os autores do estudo, todos esses traços estão associados ao trabalho da amígdala, que é responsável pelas emoções. Esta zona nos sociopatas tem uma sensibilidade aumentada a estímulos externos, o que pode fazer com que, em certas condições, tenham uma reação emocional muito violenta ou, ao contrário, depressão. Se situações que são desconfortáveis ​​para eles ocorrem com muita frequência, então a sociopatia “se desdobra” por completo.

Um experimento para toda a vida

Uma equipe internacional de psicólogos do Reino Unido, EUA e Nova Zelândia, por sua vez, constatou que pessoas com inclinações criminosas e anti-sociais têm córtex cerebral mais delgado e sua área é menor do que aquelas que não apresentam tais inclinações. Isso é evidenciado pelos resultados de um estudo de longa duração realizado desde o início dos anos 70 do século passado. Estiveram presentes mais de mil neozelandeses, que foram acompanhados dos três aos 45 anos.

Características do cérebro correspondentes na ressonância magnética foram encontradas apenas em pessoas que mostraram comportamento anti-social quando adultos. Além disso, foram observados justamente nas áreas responsáveis ​​pelo controle das funções executivas, processamento das emoções e motivação. Aqueles que se comportaram “mal” apenas na infância e na adolescência, ou não violaram as normas geralmente aceitas, não encontraram nada do gênero.

Precisamos de um kit!

Em agosto deste ano, uma equipe internacional de cientistas descreveu cerca de 600 genes que estão associados a manifestações de comportamento anti-social. Eles foram identificados pelo sequenciamento dos genomas de mais de um milhão e meio de pessoas na Europa e nos Estados Unidos. Todas essas pessoas foram submetidas a uma pesquisa, durante a qual sua tendência a formas de comportamento anti-social como:

  • transtorno de déficit de atenção
  • fumar,
  • alcoolismo,
  • vício,
  • bem como risco injustificado,
  • início precoce da atividade sexual
  • e promiscuidade sexual.

Entre os genes que os pesquisadores identificaram como responsáveis ​​pela sociopatia estavam CADM2, GABRA2 e TMEM161B, que estão associados à dependência de álcool, e ALMS1 e ERAP2, que antes eram considerados responsáveis ​​pela função renal e imunológica. Além disso, se apenas um desses genes estiver presente em seu corpo, não há nada com que se preocupar, dizem os cientistas. Mas se houver vários deles, a probabilidade de desvios aumenta drasticamente. E aí já podemos falar de “correção” e “prevenção”.

Fonte: Pravda

 

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!