Por que Cabul se rendeu sem luta

talibã
Combatentes do Talibã revistam um veículo em um posto de controle na estrada para o Ministério das Relações Exteriores do Afeganistão, em Cabul, segunda-feira, 16 de agosto de 2021. Os militares dos EUA lutaram para administrar uma evacuação caótica do Afeganistão na segunda-feira, enquanto o Talibã patrulhava a capital e tentou projetar calma após derrubar o governo apoiado pelo Ocidente. (AP Photo/Rahmat Gul)

Após a captura incruenta de Cabul em 15 de agosto, o Talibã anunciou que havia assumido o controle de todo o território do Afeganistão. Pouco depois da divulgação da notícia, foi relatado que o presidente Ashraf Ghani havia renunciado e deixado o país. Desde domingo, o poder na região foi transferido para o governo interino. As forças armadas afegãs treinadas pelos Estados Unidos e aliados desapareceram quase por completo, em parte se rendendo, em parte fugindo para estados vizinhos, e enquanto diplomatas americanos foram evacuados da capital, a Rússia, foi forçada a coexistir com um novo vizinho problemático, escreve o Izvestia.

“Uma situação deprimente se desenvolveu na República do Afeganistão”, disse o embaixador russo no Afeganistão, Zamir Kabulov, ao Izvestia, acrescentando que, no momento, a missão diplomática russa está trabalhando de maneira relativamente normal. “O Talibã garantiu a segurança não apenas para a embaixada russa, mas também para outras”, acrescentou.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia observou que não pretende restringir o trabalho da missão diplomática em Cabul. Ao mesmo tempo, o departamento não reconhece o Talibã como as autoridades legítimas do país, embora a Rússia mantenha boas relações tanto com o governo que deixou o país quanto com o Talibã, disse o ministério.

“A situação é clara para os Estados Unidos – eles destruíram o país e partiram para outro hemisfério, onde o Talibã não os pegará tão cedo. Mas temos que conviver com isso. O problema é que o Talibã tem cooperado ativamente com militantes de outras organizações terroristas. Portanto, após sua vitória, há uma chance de transformar o Afeganistão em um trampolim para a disseminação do terrorismo e do tráfico de drogas “, disse o cientista político e especialista em Afeganistão Nikita Mendkovich ao jornal. A Rússia tem que continuar o diálogo com o Talibã, porque “não temos outro Afeganistão”, acrescentou.

A Rússia se reuniu repetidamente em Moscou com representantes da ala política do Talibã para “traçar linhas vermelhas” que não deveriam ser violadas, observou o presidente da Associação Internacional de Contra-Terrorismo, Joseph Linder. Se o Talibã cumprir suas obrigações, não deve haver um aumento acentuado da ameaça terrorista para a Rússia, disse o especialista ao Izvestia. Caso contrário, a Rússia pode exigir métodos militares para ajudar a conter essa ameaça, acrescentou.

Fonte: Izvestia

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!