Prêmio Nobel concedido por modelagem do clima da Terra e estudo de sistemas complexos

A primeira parte foi entregue ao alemão Klaus Hasselman e ao nipo-americano Syukuro Manabe, a outra metade foi entregue ao físico teórico italiano Giorgio Parisi

nobel
© EPA-EFE / Pontus Lundahl

O Comitê do Nobel decidiu dividir o Prêmio de Física de 2021 entre três cientistas.

A primeira parte foi concedida conjuntamente ao alemão Klaus Hasselman e ao norte-americano Syukuro Manabe “pela modelagem física do clima da Terra, quantificação da variabilidade e previsão confiável do aquecimento global”.

A outra metade foi dada ao físico teórico italiano Giorgio Parisi “pela descoberta da interação da desordem e das flutuações nos sistemas físicos das escalas atômicas às planetárias”.

Sistemas complexos são caóticos e difíceis de entender. O prêmio deste ano “reconhece novos métodos para descrevê-los e prever seu comportamento a longo prazo.”

Sobre a pesquisa

O clima da Terra, como observou o Comitê do Nobel, é “um sistema complexo de importância vital para a humanidade”. Syukuro Manabe demonstrou como níveis elevados de dióxido de carbono na atmosfera levam ao aumento das temperaturas na superfície do nosso planeta. “Na década de 1960, ele liderou o desenvolvimento de modelos físicos do clima da Terra e foi a primeira pessoa a explorar a interação entre o balanço de radiação e o transporte vertical de massas de ar. Seu trabalho lançou as bases para o desenvolvimento dos modelos climáticos atuais”, disse a Real Academia Sueca de Ciências.

Dez anos depois, Klaus Hasselmann projetou um modelo que reúne tempo e clima, respondendo assim à pergunta de por que os modelos climáticos podem ser confiáveis, apesar da variabilidade e do caos do tempo. Ele também desenvolveu métodos “para identificar sinais específicos, impressões digitais, que tanto os fenômenos naturais quanto as atividades humanas imprimem no clima”. “Seus métodos têm sido usados ​​para provar que o aumento da temperatura na atmosfera é devido às emissões humanas de dióxido de carbono”, disse o Comitê.

Giorgio Parisi descobriu padrões latentes em materiais complexos desordenados por volta de 1980. “Suas descobertas estão entre as contribuições mais importantes para a teoria dos sistemas complexos. Elas tornam possível compreender e descrever muitos materiais e fenômenos diferentes e aparentemente inteiramente aleatórios, não apenas na física mas também em outras áreas muito diferentes, como matemática, biologia, neurociência e aprendizado de máquina “, observaram os cientistas suecos.

As descobertas de 2021 demonstram que nosso conhecimento sobre o clima se apoia em uma base científica sólida, baseada em uma análise rigorosa de observações, acredita o Comitê do Nobel. “Todos os laureados deste ano contribuíram para que obtivéssemos uma visão mais profunda das propriedades e da evolução de sistemas físicos complexos”, afirmou o presidente do Comitê Nobel de Física, Thors Hans Hansson.

Fonte: TASS

Related Posts
Matando o bem-estar algoritmicamente
Inteligência artificial

ALGUMAS das mais proeminentes startups de IA, empresas tecnológicas, seus executivos, investigadores e engenheiros querem fazer-nos acreditar que a inteligência [...]

‘Doença X’: o mundo deve se preparar para uma nova pandemia que pode matar 20 vezes mais que o coronavírus
fotos

A Organização Mundial da Saúde usa o termo “Doença X” para se referir a uma infecção com potencial para causar [...]

Carbono azul: aquecimento dos oceanos ameaça plâncton e clima do planeta
fotos

Grande parte do ar que respiramos é produzido nos oceanos por criaturas que nem enxergamos. Um trabalho feito de forma [...]

Cientistas descobriram quanto tempo leva para o cérebro se recuperar após abstinência do álcool
fotos

As funções cerebrais prejudicadas em uma pessoa podem ser restauradas após uma abstinência prolongada de consumo de álcool

O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida tornou-se o maior já registrado na história
fotos

Medições do satélite Copernicus Sentinel-5P mostram que sua área atingiu 26 milhões de km² – isto é 3 vezes maior [...]

Ciência: A humanidade moderna surgiu graças a 1.280 indivíduos
fotos

Poderá o destino dos oito bilhões de pessoas que vivem agora na Terra ter dependido da resiliência de apenas 1.280 [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!