Brasil: Total de resgatados de trabalho escravo já supera 2020

Até agora, foram 1.015 resgatados neste ano, sendo 420 em Minas Gerais, com pagamento de R$ 5 milhões em verbas rescisórias

trabalho escravo
Grupos de fiscalização foram criados em 1996. Desde então, mais de 56 mil trabalhadores foram resgatados em operações pelo país

São Paulo – De janeiro a setembro, ações de fiscalização pelo país já resgataram 1.015 pessoas em situação de trabalho análogo ao de escravo, superando o total de 2020 (936) e se aproximando do registrado em 2019 (1.131). Os dados foram atualizados pela Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT). Foram realizadas 234 operações (276 no ano passado), e 102 estabelecimentos receberam autuação.

De acordo com as informações da SIT, Minas Gerais teve 54 operações e 420 trabalhadores resgatados, a maior quantidade entre as unidades da federações. Depois vêm São Paulo, com 135, e Goiás, com 102. No total, foram 743 trabalhadores encontrados em áreas rurais e 272 em áreas urbanas.

De acordo com o chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), o auditor-fiscal Maurício Krepsky, o aumento neste ano ocorreu, principalmente, pela Operação Resgate, realizada em parceria com diversos órgãos. “Em relação ao Grupo Especial de Fiscalização Móvel, o cronograma de operações foi atendido integralmente, enquanto em 2020 não foi possível fazer operações com deslocamento aéreo de março a julho, em razão da oferta reduzida de voos.”

Nova relação de empregadores

O governo publicou nesta terça-feira (5) nova atualização da chamada “lista suja” do trabalho escravo, que traz a relação de empregadores flagrados pela fiscalização. A relação, que já chegou a ser proibida por decisão judicial, é atualizada a cada seis meses. Foram incluídos 13 nomes, sendo sete de pessoas físicas e seis jurídicas. E excluídos 27, que ultrapassaram o prazo legal de dois anos na publicação. Confira aqui a lista, divulgada pelo Sinait, o sindicato nacional dos auditores-fiscais.

Os grupos móveis de fiscalização estão completando 26 anos em 2021. Desde sua criação, foram resgatados 56.722 trabalhadores em condições análogas à escravidão. As verbas salariais e rescisórias somam R$ 116 milhões – neste ano, mais de R$ 5 milhões. Além dos auditores-fiscais do Trabalho, as operações têm participação da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Defensoria Pública da União (DPU) e Ministérios Públicos do Trabalho (MPT) e Federal (MPF).

Fonte: BdF

Related Posts
Empresas “donas da água” no Brasil pagaram 5 centavos para cada 10 mil litros captados
fotos

Cobrança pelo uso da água, criada para promover uso racional do recurso, ainda engatinha no país [...]

Educação é principal foco de projetos de lei conservadores na Câmara
fotos

A educação é o tema mais recorrente dos projetos de lei apresentados por políticos considerados católicos ou evangélicos, na Câmara [...]

Cemitérios privatizados de SP cobram até dez vezes mais para reenterrar mortos da covid
fotos

A mãe da jornalista Ludmila Pizarro foi uma das quase 47 mil vítimas fatais da covid-19 em São Paulo no [...]

“A justiça ainda não foi feita”, diz viúva do músico Evaldo Rosa
fotos

Julgamento de militares que assassinaram músico com tiros de fuzil no Rio de Janeiro será realizado nesta quinta no STM

Multas por desmatamento na Amazônia caem 90% em janeiro com protesto de fiscais do Ibama
fotos

Após um ano de intensa fiscalização, que teve como resultado mais visível a queda de 50% nos alertas de desmatamento [...]

Quais são as organizações que promovem “terapias” de conversão sexual no Brasil
fotos

Filho e neto de pastores, Betuel, 23 anos, foi coagido a participar de cultos de libertação da Igreja Quadrangular quando [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!