Protestos contra abusos policiais são reprimidos em Paris

A polícia disparou gás lacrimogêneo para forçar os manifestantes a recuar

protesto

A polícia francesa disparou gás lacrimogêneo contra os manifestantes que marchavam contra a violência das forças de segurança em Paris no sábado, depois que manifestantes mascarados usaram fogos de artifício e atiraram pedras.

As altercações ocorreram na capital na chegada à Bastilha, com destruição de material urbano por alguns encapuzados e uso de gás lacrimogêneo pela polícia para tentar contê-los.

O protesto em massa foi organizado depois que um produtor musical afro-descendente foi espancado pela polícia.

A polícia repeliu os manifestantes com gás lacrimogêneo em Paris durante a manifestação contra a lei de segurança abrangente e a rejeição da violência policial.

O protesto em Paris, o segundo em uma semana, partiu da central Place de la République em direção à da Bastilha, mas o apelo se espalhou por outras cidades do país e reuniu milhares de pessoas.

A polícia francesa apreendeu todas as tendas que os refugiados montaram para impedir que se mudassem para a Place de la République.

O evento gerou raiva em relação a um projeto de lei que poderia restringir o direito dos jornalistas de reportar sobre a brutalidade policial.

No centro dos protestos estão três artigos do projeto de lei de Segurança Global que recebeu luz verde da Assembleia Nacional na semana passada e que enquadra a divulgação da imagem da polícia, o uso de drones e também imagens tiradas pelos cidadãos com seus telefones celulares de aplicação da lei.

Artigo 24  – que chamou a atenção, pune com um ano de prisão e até 45.000 euros de multa a divulgação “maliciosa” de imagens das forças policiais.

O governo garante que essa disposição visa proteger a polícia de chamados de ódio e morte nas redes sociais, com a divulgação de detalhes sobre sua vida privada.

Em Paris, centenas de manifestantes começaram a se reunir às 14h (13h GMT) na Place de la République, de onde marcharão por pouco mais de dois quilômetros até a Place de la Bastille.

Além das tradicionais estruturas de esquerda, sindicato ou sociedade civil que vão se manifestar, muitas personalidades vão se juntar aos protestos no sábado. Os coletes amarelos, cujas manifestações por vezes violentas abalaram o país em 2018 e 2019, também são esperados.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!