Repórteres relatam os momentos que multidão pró-Trump invade o Capitólio dos EUA

capitólio
Apoiadores de Trump escalam paredes após marcharem para o Capitólio. Foto: Stephanie Keith / Reuters

Estávamos preparados para cobrir um tipo diferente de luta no Congresso hoje, um debate que atrasaria, mas não impediria a vitória de Joe Biden no Colégio Eleitoral.

Em vez disso, estávamos lá quando turbas invadiram as salas da Câmara e do Senado em nome do presidente Trump, agitando as bandeiras do Trump 2020 e as estrelas e barras da Confederação.

Mais tarde naquela noite, voltamos a cada uma das câmaras enquanto os legisladores juravam terminar a contagem dos votos do Colégio Eleitoral ainda esta noite. Estamos abalados, mas OK. Também estamos vendo a democracia e a política sob uma luz diferente.

Repórteres relatam os eventos de hoje

Alayna: Eu estava no Cannon House Office Building, um dos primeiros edifícios do complexo do Capitólio a ser evacuado. Eu estava a um minuto de ir ao ar na televisão ao vivo, logo depois que o presidente Trump pediu aos manifestantes que marchassem pela Avenida Pensilvânia até o Capitólio.

Um policial do Capitólio correu para a Rotunda e gritou: “TODOS EVACUEM! SAIA. MOVA-SE!”

As pessoas ficaram confusas, mas a maioria de nós não percebeu a gravidade da ameaça. Eu me reposicionei na Galeria de Imprensa do Senado, apenas para ser levada às pressas para a varanda da câmara pela polícia e funcionários da galeria. Eles trancaram as portas, enviaram repórteres para a varanda, enquanto senadores e funcionários ficaram logo abaixo. O vice-presidente Pence foi evacuado pouco antes de trancarem as portas.

Às 14h25, um policial de terno cinza com uma faixa laranja dizendo “Polícia” gritou: “Tiros disparados, fique longe da porta.” Os senadores se afastaram do perímetro para o centro da câmara. A maioria se sentava em mesas.

Às 14h31, a câmara foi evacuada. Senadores e funcionários foram conduzidos para fora primeiro, seguida pela imprensa.

Enquanto eles se afastavam, funcionários parlamentares do Senado agarraram as caixas de mogno contendo os certificados do Colégio Eleitoral.

No porão do Capitólio, repórteres, funcionários, policiais e senadores corriam pelos túneis do metrô até o local não revelado. As pessoas gritavam: “Ande mais rápido! Ande.”

A Polícia do Capitólio exigiu que todos os evacuados mostrassem seus crachás para garantir que nenhum dos manifestantes se misturasse com a multidão. Mais tarde, todos fomos transferidos, primeiro senadores, depois repórteres, para locais não revelados em salas contíguas.

Eu podia ouvir chamadas no rádio da polícia conforme eles se moviam andar por andar, protegendo cada área.

Ficamos presos em uma sala (cuja localização não divulgamos por motivos de segurança) por cerca de cinco horas. A polícia não poderia nos dizer o que aconteceria a seguir ou o que estava acontecendo no resto do complexo.

Kadia: Eu estava na House Press Gallery quando a polícia anunciou que o Capitólio foi invadido e que haveria um bloqueio.

A princípio, as autoridades pediram a todos que permanecessem calmos e sentados: “Podem se locomover por dentro, mas por favor, não tentem sair neste momento.”

“Obrigado, Polícia do Capitólio”, gritou alguém do lado republicano, e os membros aplaudiram.

Mas logo a polícia estava dizendo que os manifestantes estavam na Rotunda e instruiu os membros: “Por favor, estejam preparados para serem realocados”.

Eu ouvi o Deputado Steve Cohen gritar: “Ligue para Trump!” e dizer ao presidente para acalmar seus apoiantes.

A polícia disse a todos dentro: “Esteja preparado para descer.” Houve uma batida forte. Uma janela foi quebrada. Todos dentro se moveram para um lado da câmara.

A casa estava muito turbulenta, e você podia ouvir batidas constantes vindas dos intrusos do outro lado da porta tentando obter acesso. Disseram-nos que gás lacrimogêneo havia sido liberado do lado de fora. Os legisladores pegaram em suas cadeiras máscaras de gás.

Uma mulher começou a orar. A Polícia do Capitólio havia barricado as portas da câmara com móveis. Eu estava agachada. Eu não pude ver muito. A polícia estava com as armas em punho, apontadas para a porta enquanto os invasores quebravam o vidro.

Depois de algum tempo, fomos instruídos a fazer as malas.

Logo estávamos correndo, em um pacote, gritos e medo no ar, da câmara, corredores abaixo, para um local não revelado, gratos por estarmos seguros.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − seis =