Segredos da Guerra Fria: Como a KGB enganava a CIA

fotos

Durante a Guerra Fria, a agência de inteligência soviética desenvolveu um método de sucesso para identificar os agentes da CIA no exterior, algo dos quais os EUA não suspeitava. Washington, por sua vez, tinha certeza de que as informações sobre seus oficiais vazaram para a URSS através dos duplos agentes americanos.

O problema remonta a meados dos anos 70, quando a administração da CIA tentou adivinhar como a agência de inteligência soviética (KGB) identificou agentes norte-americanos e frustrou suas operações. Procurando a resposta, a agência dos EUA concentrou-se na investigação de oficiais próprios que pudessem filtrar a informação, mas “subestimaram as capacidades de seus colegas soviéticos”, escreve em seu novo livro sobre a inteligência do professor de história da URSS Jonathan Haslam, da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Unido), citado pelo portal Salon.

O protagonista da história é Yuri Titov, da KGB, a quem os americanos chamavam de “diretor do pessoal da CIA na sombra”. O oficial aplicou seus métodos pela primeira vez para identificar agentes americanos no final dos anos 50 na Tailândia e depois no Japão. Ao retornar a Moscou, Titov começou a estudar os arquivos do KGB, a literatura especializada e as informações das autoridades policiais de vários países, obtidas de fontes abertas. No final, produziu 26 indicadores que serviram para uma identificação quase certa dos agentes de inteligência dos EUA no estrangeiro.

As biografias dos agentes continham lacunas óbvias, falavam várias línguas estrangeiras e as reorganizações dentro das embaixadas nunca as afetavam, enquanto seus escritórios ficavam em áreas especiais dos edifícios. Ao contrário dos diplomatas que seguiam regras rigorosas de protocolo, esses agentes podiam aparecer e desaparecer dos eventos a qualquer momento e ao retornar aos EUA normalmente eles não apareciam nos documentos públicos do Departamento de Estado. Estes foram alguns dos indicadores que ajudaram Titov a identificar os membros da CIA.

O fato de Titov ter conseguido descobrir tantos agentes americanos justificou a ideia de que “agências-chave para a política externa dos EUA” experimentavam defeitos estruturais “, conclui Jonathan Haslam.

Do El camintehn

Related Posts
Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Um ultimato ultraortodoxo e o futuro do estado “judeu”
fotos

O cisma cada vez maior entre as comunidades seculares e ultraortodoxas de Israel tem impacto não só no bem-estar militar [...]

Compartilhar:

One thought on “Segredos da Guerra Fria: Como a KGB enganava a CIA

Deixe um comentário

error: Content is protected !!