Sob pressão da Câmara, Bolsonaro recua e decide revogar decretos de armas

Após a medida ter sido rejeitada pelo Senado, o Palácio do Planalto vinha negociando uma alternativa para evitar uma nova derrota

fotos
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de assinatura de decreto que flexibilizou regras para porte de armas (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

BRASÍLIA, DF – Após repercussão negativa no Poder Legislativo, o presidente Jair Bolsonaro recuou e revogou nesta terça-feira (25) os decretos que flexibilizaram as regras sobre o direito ao porte de armas e munições no país.

A revogação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Mais cedo, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, havia dito que o governo não colocaria “nenhum empecilho para que a votação ocorra” na Câmara.

“O presidente já enfatizou que não irá interferir nas questões do Congresso. Entretanto, o governo tem buscado diálogo e consenso para a aprovação das medidas que atendam às aspirações da maioria dos cidadãos brasileiros”, disse antes da revogação.

Após a medida ter sido rejeitada pelo Senado na semana passada, o Palácio do Planalto vinha negociando uma alternativa para evitar uma nova derrota.

Na segunda-feira (24), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Câmara seguirá a decisão do Senado e rejeitará os decretos.

Ele havia dito, inclusive, que pretendia articular que alguns dos pontos do texto fossem apresentados por meio de projetos de lei.

Entre as mudanças que o decreto previa estavam a autorização de novas categorias para transportar armas, como políticos com mandato e jornalistas da cobertura policial.

Adolescentes não precisariam mais de autorização judicial para praticar tiro, e a quantidade de munição que pode ser comprada centuplicou.

Armas mais letais deixariam de ser de uso restrito das forças de segurança, como a .40 e a 9 mm –na prática, somente armas de calibre utilizado para caçar animais de grande porte ficam restritas.

Essas regras se somariam àquelas sobre posse de armas –ter o armamento em casa ou no local de trabalho–, flexibilizadas também em decreto em 15 de janeiro, numa das primeiras medidas de Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Do FolhaPress

Related Posts
Empresas “donas da água” no Brasil pagaram 5 centavos para cada 10 mil litros captados
fotos

Cobrança pelo uso da água, criada para promover uso racional do recurso, ainda engatinha no país [...]

Educação é principal foco de projetos de lei conservadores na Câmara
fotos

A educação é o tema mais recorrente dos projetos de lei apresentados por políticos considerados católicos ou evangélicos, na Câmara [...]

Cemitérios privatizados de SP cobram até dez vezes mais para reenterrar mortos da covid
fotos

A mãe da jornalista Ludmila Pizarro foi uma das quase 47 mil vítimas fatais da covid-19 em São Paulo no [...]

“A justiça ainda não foi feita”, diz viúva do músico Evaldo Rosa
fotos

Julgamento de militares que assassinaram músico com tiros de fuzil no Rio de Janeiro será realizado nesta quinta no STM

Multas por desmatamento na Amazônia caem 90% em janeiro com protesto de fiscais do Ibama
fotos

Após um ano de intensa fiscalização, que teve como resultado mais visível a queda de 50% nos alertas de desmatamento [...]

Quais são as organizações que promovem “terapias” de conversão sexual no Brasil
fotos

Filho e neto de pastores, Betuel, 23 anos, foi coagido a participar de cultos de libertação da Igreja Quadrangular quando [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!