Talvez nunca saibamos quantos foram mortos pela pandemia do Covid-19

Cada país conta os infectados e mortos à sua maneira e nenhum faz de forma convincente

Um padre e o filho de uma mulher que morreu na cerimónia fúnebre da mulher, em Seriate, um local próximo de Bergamo, Itália. 20 de março, 2020. Reprodução

Talvez nunca saibamos quantas pessoas foram infectadas ou morreram após o surto da pandemia do Covid-19. Isso porque não existe uma padronização, cada país tem sua forma de contabilizar os números de infectados e mortos.

É claro que há governos que não querem mostrar a dura realidade da situação crônica de seus sistemas fracassados da área saúde.

A França por exemplo, conta apenas os que morrem em hospitais, a Espanha não registra mortes em casas de repouso sem testes e o Reino Unido não considerou o Covid-19 como uma causa das mortes até o dia 5 de março.

Há inúmeras suspeitas e boatos, sobre como os  números divulgados de mortalidade dos países, são multiplicados nas redes sociais: “A Alemanha e a Holanda escondem cadáveres sob tapetes estatísticos”; “No Reino Unido, pede-se aos membros da família falecido por coronavírus a permissão para decidir se deve incluí-lo na contagem oficial”. E muitos outros boatos circulam após as críticas da Holanda à Espanha, e o espanto causado pela baixa taxa de mortalidade da doença na Alemanha , para a qual os cientistas ainda não têm uma explicação clara (embora apontem para a alto número de testes realizados).

Especialistas em epidemiologia alertam que nem todas as mortes por coronavírus estão sendo adequadamente contabilizadas. E isso é algo que todos os países têm em comum. A controvérsia na França concentra-se em casos que não entram nas estatísticas: todas as mortes fora dos hospitais. Na Espanha, de acordo com autoridades de saúde das comunidades autônomas, as pessoas que morrem em residências ou casas que não foram submetidas ao teste de triagem também não são contadas .

Essas diferenças, somadas às dificuldades de cada país em delinear uma imagem precisa, tornam as taxas de mortalidade não confiáveis. Com o problema adicional de que quando uma parte muito pequena de infecções reais é diagnosticada ( como está acontecendo na Espanha devido à falta de capacidade de teste ), a porcentagem de mortes sobre o número total de infectados é maior. ” A posteriori, uma abordagem mais ou menos exata pode ser feita, mas sempre uma aproximação”, explica Ildefonso Hernández, porta-voz da Sociedade Espanhola de Saúde Pública (Sespas).

A Itália inclui no registro de vítimas de coronavírus todos os pacientes que apresentaram resultado positivo e que morreram, independentemente de outros aspectos de seu histórico médico, seguindo os critérios do Instituto Superior de Saúde. Essa entidade é responsável, a posteriori, por fazer um estudo epidemiológico para investigar as causas de morte de pacientes com Covid-19 e publica um relatório duas vezes por semana que inclui se essas pessoas também sofriam de outras doenças.

O chefe da Proteção Civil, Angello Borrelli, responsável por comunicar os números oficiais, costuma ressaltar que essas são “mortes com coronavírus e não por coronavírus”, até investigar os registros médicos. A maior parte da comunidade científica assume que, na ausência de mais testes de rastreamento – desde a origem do surto até 28 de março, 429.526 foram realizados – o número real de infectados e falecidos pode ser muito maior do que os números oficiais.

Até o surto da epidemia de coronavírus, no Reino Unido, quando um paciente morreu no hospital por uma infecção respiratória, a causa direta da infecção não foi registrada, a menos que fosse uma “doença notificável” por lei. Por exemplo, antraz, botulismo, malária ou tuberculose. O relatório médico simplesmente indicava broncopneumonia, pneumonia, idade avançada ou uma designação semelhante. Desde 5 de março, o Covid-19 está na lista de notificações obrigatórias. No entanto, a gripe sazonal não é registrada.

Até o momento, a maioria dos testes foi realizada bem em hospitais, onde há um grande número de pacientes suscetíveis aos efeitos de qualquer infecção ou pessoas que apresentaram sintomas graves o suficiente para serem testados. É por isso que as autoridades de saúde britânicas alertaram, quando o número de casos positivos era de cerca de mil, que na realidade poderia se aproximar dos cinco ou dez mil infectados. A taxa de mortalidade no Reino Unido, atualmente de 6%, seria realmente muito menor, apontam vários especialistas.

Desde o início da epidemia, na França apenas as mortes em “ambientes hospitalares” foram contadas, ou seja, compilando dados diários dos 600 hospitais e clínicas do país “que provavelmente receberiam pacientes do Covid-19”. Embora a mortalidade seja maior entre os idosos (86% dos que morreram na França têm 70 anos ou mais), as estatísticas oficiais não incluem os idosos que morreram em suas casas ou, sobretudo, nos 7.000 locais que abrigam mais de 700.000 idosos ou pessoas com deficiência.

O mesmo ocorre na Espanha, onde pelo menos 352 pessoas morreram em casas de repouso até a última quinta-feira (26/03). O Ministério da Saúde não oferece números. Desde que as mortes em massa nesses centros começaram a ser denunciadas na França, o governo de Emmanuel Macron deu uma diretriz e anunciou que, a partir desta semana, realizará “monitoramento diário da mortalidade” nas casas de repouso.

Com uma taxa de mortalidade de 0,72%, houve alguma controvérsia na Alemanha, porque os dados fornecidos pelo Instituto Robert Koch (RKI) todos os dias estão atrás daqueles oferecidos pela Universidade Johns Hopkins, que coleta dados de todo o mundo. Eles são semelhantes, mas leva tempo para o RKI validá-los após serem enviados dos Estados. O RKI informa que “todas as mortes relacionadas à doença de Covid-19 são registradas nos dados da notificação: pessoas que morreram diretamente da doença e pacientes com doenças subjacentes infectadas e para quem não é possível provar claramente o que foi, em última análise, a causa da morte “. Se houver suspeita, acrescenta o instituto, “eles podem ser examinados post mortem“, mas não esclarece se todos os suspeitos são autopsiados.

A França, como a Espanha, observa a mortalidade excessiva. Dados do Instituto Nacional de Estatística mostram que, o foco principal no leste da França, atingiu 37,8% no mês de março. Na Espanha, o último relatório do Instituto de Saúde Carlos III indica que o excesso de mortes na série histórica entre 21 e 25 de março foi de quase 17%. Mas ainda não existem números de qual foi a causa da morte. Na Holanda, o teste de coronavírus é reservado para pacientes hospitalizados. O órgão oficial encarregado da contagem oferece números de óbitos, infecções e internações hospitalares e afirma que o cálculo real pode ser maior, pois são apenas os casos verificados.

No Brasil a situação ainda é pior,  somente pacientes em estado grave e com suspeita são submetidos ao teste de coronavírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que toda a população com sinais suspeitos deveria ser testada. Se isso fosse possível, teríamos uma melhor noção da taxa de mortalidade. O teste em apenas casos graves, faz com que registre um número irreal da doença e, como consequência, uma taxa de mortalidade maior que a realidade.

Outro fator importante, ao confirmar a presença do coronavírus (também chamado de Sars-Cov-2) em alguém ajuda a reforçar o isolamento desse indivíduo e dos indivíduos mais próximos. Isso frearia o ritmo de transmissão da Covid-19, doença provocada por esse agente infeccioso. Graças aos testes maciços empregado na Coréia do Sul e rastreamento de celulares foi possível controlar o surto da doença.

Infelizmente, até o momento o Brasil não dispõem de kits de testes suficientes para uma estratégia de massificação da testagem da população. E também outro fator que pode agravar a contaminação, é posição contrária do presidente Jair Bolsonaro, que insiste em ser contra a orientação da OMS e adotados por Estados e municípios, do isolamento social como melhor forma de combater a pandemia.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =