“Um país simplesmente governado por sociopatas”

É o que diz Noam Chomsky sobre os EUA. E não parece errado se a mesma sentença for aplicada para o Equador e o Brasil, apenas para mencionar dois países latino-americanos. Outros, como Chile, Colômbia e Bolívia, tomaram essa pandemia como uma oportunidade de repressão e negócios, embora não tenham atingido níveis de sociopatia

psicopatas
Reprodução

Por: Orlando Pérez

Donald Trump, Jair Bolsonaro e Lenín Moreno expuseram sua real condição política na pandemia de Covid-19. Superando as distâncias das economias de cada um de seus países, há algumas coincidências: eles têm uma enorme capacidade de desprezar a vida das pessoas, os avisos dos cientistas e, escusado será dizer, a colaboração oferecida por seus oponentes políticos. Além das diferenças de ordem ideológica ou partidária, nos três países, a oposição tem sido muito mais sensata e responsável ao propor medidas urgentes e imediatas para evitar dezenas de milhares de mortes.

Mas sua má gestão não é de agora. Deve-se lembrar que Trump, há dois anos, dissolveu a unidade de pandemia no Conselho de Segurança Nacional; o governo brasileiro de Temer congelou os gastos sociais (incluindo gastos com saúde) por vinte anos, colocou um teto nele e, com isso, pretendeu economizar dinheiro para outras coisas, que não foram modificadas por Bolsonaro; Moreno reduziu o orçamento da saúde para os anos de 2019 e 2020, jogou doze mil funcionários do sistema de saúde nas ruas, expulsou a brigada médica cubana e, com a pandemia já instalada no Equador, pagou 324 milhões de dólares em compromissos de títulos de dívida externa.

Mas, além disso, os três líderes neofascistas, parafraseando Chomsky: são uma máquina de mentiras. Trump diz uma coisa hoje: amanhã ele muda a versão e no dia seguinte acusa a mídia de publicar notícias falsas com suas declarações. Já existem mais de vinte mil mentiras da sua parte. E no Brasil não há dúvida de que o suposto ataque a Bolsonaro, no meio da campanha eleitoral, os números que ele dá sobre sua economia, além de tudo o que fizeram contra Lula, fazem parte de uma maneira de mentir sem pudor. E Moreno, se houvesse verificadores de informação (assim como existem operadores da USAID para procurar supostos trolls correspondentes), acrescenta muitas mentiras, entre elas, o número real de dívida externa, a suposta câmera de espionagem em seu escritório e o número de morto por coronavírus, e sem contar suas próprias declarações de trapaça ou suas aberrações machistas. Como diz Chomsky: quando “você não para de mentir, o que acontece é que o conceito de verdade simplesmente desaparece”.

Ao contrário de tudo isso, países como Venezuela, Cuba ou Nicarágua enfrentam menos recursos (na verdade, o bloco está aumentando nos dois primeiros) e com números abaixo do que alguns meios de comunicação da região alertaram. Não vamos esquecer como eles previram a catástrofe na Venezuela e agora é o país que tem o menor número de infecções em relação ao número de habitantes. Por isso, eles não tiveram que mentir ou exagerar, simplesmente demonstraram que os sistemas de saúde, dependendo das pessoas, são o escudo para epidemias dessa dimensão.

Os presidentes Trump, Bolsonaro e Moreno, que subestimaram a pandemia, agora se gabam de ser os primeiros a alertá-la, fechar fronteiras e servir o povo. Mas, de acordo com a cronologia dos eventos e suas declarações, ocorreu o contrário. Não é mais suficiente preparar uma lista de suas falácias, porque seus porta-vozes e a mídia que reproduzem tudo o que eles dizem foram responsáveis ​​por esconder os enganos e destacar o que estão fazendo agora, independentemente do fato de já haver dezenas de milhares de mortes nos Estados Unidos. De acordo com os números que não são expressos em relatórios oficiais, mas nos registros de óbitos de entidades públicas, mais de cinco mil no Equador, e no Brasil eles poderiam exceder cinco mil em menos de um mês e a taxa aumenta, no momento de escrever este artigo.

Por que esses líderes e suas equipes governamentais se comportam assim? São apenas explosões e uma demonstração de sua pouca disposição para governar? Existe uma grama de responsabilidade ética e moral neles para entender que a vida de milhares de pessoas e processos sociais estão em suas mãos?

É difícil responder a partir da análise política, mas há duas ou três explicações. O fundamental é que eles não concebam o Estado como um aparato público com enormes obrigações e com uma dose muito alta de urgência, independentemente do cálculo político. Eles vêem isso como um obstáculo para seus negócios privados e medem cada passo com base no impacto que pode ter em suas fortunas ou na de seus amigos e financiadores. Mas outro poderia ser arriscado: existe uma enorme incapacidade intelectual e política de ler a realidade além de seus narizes. Os três “líderes” deram mais de uma prova disso e, evidentemente, são seus povos que são os únicos responsáveis ​​por manter esses sociopatas à frente do Estado, eles e uma oposição política que não foi capaz de demonstrar a capacidade de reagir à situação de perigo.

Fonte: teleSur

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + treze =