Uma Política Externa Sádica – Cubanos, Bidens e a Ordem do Suporte Atlético Vazio

embargo

Por Fred Reed

Ao ouvir os pronunciamentos de nosso presidente boneco de papelão sobre Cuba, me pergunto o que diabos os Estados Unidos estão tentando fazer na América Latina? Biden, um velho hackeado de pouca mente afirma, ou seu ventríloquo o faz, sobre seu apoio ao povo cubano. Ele se preocupa profundamente com o povo cubano. Sim ele faz. Então, por que esse monótono maligno quer arruinar suas vidas? Ele está colocando mais sanções contra a ilha. Ele é estúpido demais para perceber que as sanções prejudicam apenas as pessoas! Ou ele simplesmente não se importa?

Se existe algum lugar neste ou em qualquer outro planeta que represente menos perigo para a América do que Cuba, exceto a Venezuela ou talvez alguma tribo desconhecida na floresta tropical brasileira, não posso imaginar quem. Há onze milhões de cubanos, e quase cinco querem trabalhar, beber, brincar com os filhos e fazer uma música fenomenal. Por sessenta anos, os malditos Estados Unidos tentaram matá-los de fome, sancioná-los, torná-los os mais miseráveis ​​possível, devido a um tipo estranho de sadismo nórdico. É repugnante.

Kamala pode não aceitar isso. Claro, ficar em pé não é seu talento principal.

O que esse brinquedo político sabe sobre Cuba? Joe preside, vagamente, um país que por mais de meio século tem feito tudo que pode para garantir a miséria daqueles onze milhões de pessoas inocentes, fazendo tudo que pode para tornar suas vidas o mais difícil possível. Mas Joe, aquele com uma sinceridade provavelmente aprendida na Central Casting, sente pena do povo cubano. Sim ele “sente”. Onde conseguimos esse cara?

O boneco sádico já foi para Cuba? Eu fui, anos atrás, em um trabalho para uma revista. Tive que obter permissão do Tesouro sob a Lei de Comércio com o Inimigo (Treasury under the Trading with the Enemy Act). Por quê? Os cubanos não eram meus inimigos. Eles não são inimigos de ninguém. Descobrimos que eles eram, para nossa surpresa, um povo amigável e hospitaleiro, embora fôssemos do país que é sua principal fonte de miséria. Nós – minha esposa e eu – passamos algumas noites em um restaurante barato ao ar livre no Malecón, assistindo as ondas quebrarem contra o quebra-mar com um rugido e estouro de espuma e conversando com a clientela. Curiosamente, nem eles nem as outras pessoas que encontramos se pareciam com os comunistas malvados imaginados pelo Primeiro Atacadista de Alimentos na Avenida Pensilvânia. Em outras ocasiões, sendo Violeta meio maluca, passamos horas caminhando pelos bairros pobres, ruas repletas de prédios de uma época passada em declínio devido à pobreza geral da ilha. Em suma, um país latino-americano agradável, mas esmagado por estrangulamento americano impiedoso.

Mas, veja você, é pela democracia e pelos direitos humanos. América é tudo sobre “direitos humanos”! Pergunte aos vietnamitas, cambojanos, laocians, iraquianos, sírios, afegãos, somalis, yeminis, líbios, iranianos, venezuelanos.

Por que a América tortura Cuba? Porque Washington divide os países em duas categorias, os que se submetem e os inimigos. Quais países não lambem botas americanas? Rússia, China, Irã, Coreia do Norte, Venezuela e… Cuba. A América faz tudo e fará tudo o que puder para esmagar os desobedientes: embargos, sanções, invasão, isolamento do sistema financeiro mundial, golpes, assassinatos, tarifas, bombardeios. Quando os vassalos que chama de aliados, como a Europa, começam a mostrar independência, pois ao permitir Nordstream II, ele os sanciona tão prontamente quanto aos inimigos. Mas, veja, não é para proteger o Império, para ferir alguém em qualquer medida para permanecer dominante, para arruinar milhões e milhões de pessoas que não têm interesse na política, a fim de manter a hegemonia. Não. É para derrubar “ditadores”. Exceto aqueles úteis para Washington.

É possível que Biden acredite em sua própria baboseira? Ele não é o pináculo da radiância neuronal, tendo terminado na classe baixa em uma faculdade de direito medíocre, após ser pego trapaceando. Ele parece ter pouca experiência do mundo. Sim, como vice-presidente, ele conheceu uma centena de líderes mundiais em banquetes diplomáticos. Mas ele já morou em outro país? Caminhou por seus bairros? Comido nas ruas secundárias? Namorou suas mulheres? Falou de política com outras pessoas além da classe política? Ele fala outra língua?

Uma estranha desconexão existe entre os governantes da América e a América que eles governam, o mundo em que vivem. Por exemplo, a imigração latina é uma questão crucial na América. Quanto tempo Biden passou, digamos, no México? No grande bairro do leste de Los Angeles? As relações raciais entre negros e brancos são um desastre. Quando foi a última vez que ele jantou em Anacostia, o principal bairro negro de Washington? Ele já esteve em Anacostia? A polícia, seu comportamento, problemas e o mundo em que trabalham abalam o país. Biden já esteve em um carro da polícia? Ele tem ideia dos trechos ruins às três da manhã, da realidade das ruas?

A América está constantemente em guerra. Ele esteve em uma guerra? Viu uma? Ele já foi militar?

Mas ele atormenta os cubanos. Pela verdade, justiça e o jeito americano. Qual é o problema. Este é o jeito americano.

Isso não é novo. O governo americano vem caindo em direção ao nível de Belize há décadas. Tínhamos os Clinton vendendo favores a governos estrangeiros sórdidos e Bill “atacando” belas estagiárias no Offal Office quando não estava com Hill na ilha de Epstein. Tivemos Bush II, que estava quase totalmente apagado, uma lâmpada bruxuleante sem perigo. Trump, um traficante de imóveis desonesto com a elegância de um anunciante de loja de porta de rua, agora sob investigação criminal. No momento, somos sobrenaturalmente abençoados com Biden como um garoto mergulhado em travessuras furtivas envolvendo tráfico de influência para a Ucrânia. Com a moral do cartel de Sinaloa, o intelecto da Reader’s Digest, tagarelando em três partes sobre os direitos dos transgêneros.

Kamala tem qualificações, mas, se Joe as utilizasse, estaria no tribunal de divórcio.

O país está nas mãos de casos de ThorazineDe mangustos patologicamente agressivos. Eu não confiaria que eles dirigissem uma barraca de limonada, mesmo com a supervisão de suas mães, muito menos um país repleto de armamentos caros que poderiam, inesperadamente, realmente funcionar em um momento estranho.

A proporção de esquivos de nossas virgens marciais atuais ilumina sua falta de familiaridade com a América. Bush II, que se protegeu na Guarda Nacional. Cheney (eu tinha outras prioridades). Trump, uma cacatua de crista dourada falando inglês como uma criança de 12 anos com lesão cerebral e ameaçando a Coreia do Norte com fogo e enxofre. Pompeo, que se escondeu na Marinha, uma unidade fora de combate. Bolton, com seu bigode bacana. Biden, que jogou futebol na faculdade, mas desenvolveu asma sempre que estava próximo a uma mesa de recrutamento.

Talvez a postura guerreira desses isolados de Beltway seja persuadir a si mesmos de que são do mesmo sangue dos Hells Angels. Eu imagino todos os três Napoleões de Trump, Bannon, Pompeo e Bolton, sentados em um quarto escuro na Ala Oeste, se masturbando furiosamente em uma autolubricidade apaixonada enquanto liam catálogos de baionetas, com Trump na sala ao lado assistindo incansavelmente reprises de si mesmo no notiário da Fox. E Biden, enviando a Marinha para dizer nyet-nyet-nyet aos russos no Mar Negro, ponderando se deve começar a Terceira Guerra Mundial como um golpe publicitário a tempo para o semestre. Mas nada disso faria arriscar seu doce traseiro em uma guerra enquanto ele pudesse enviar algum garoto de Memphis.

Veja a política externa de Washington, agora de Biden. Os russos e chineses trabalham em uma rota comercial sobre o Ártico para ter uma rota mais curta do que através de Suez. Biden hiperventila, exibe com alarme e envia navios de guerra para o confronto com a Rússia. Como você enfrenta uma rota comercialBiden consegue um bando de países poodles para enviar navios de guerra para deter Pequim no Oceano Índico. Pra quê? O que eles acham que a China vai fazer com o Oceano Índico? Envenenar? Escoá-lo? Agora temos todos os tipos de poodles dirigindo navios de guerra ao redor do Mar Negro, para enviar uma mensagem à Rússia. Por que não Western Union? Gmail? Meninos dizendo: “Nyet, nyet, nyet”. Sério! Eles são como gangues de adolescentes com suas estúpidas guerras territoriais.

Agora temos Biden, um guerreiro frio que sobrou e desempenha as três funções essenciais de um presidente, obedecendo a Israel, protegendo Wall Street e injetando dinheiro na indústria de armas. Joe poderia ser feito em software como um projeto sênior em uma boa escola de ensino médio e ninguém saberia a diferença. Pense na economia. Em vez de fazer caros voos para países estrangeiros, ele poderia ser enviado por e-mail. Mas ele não permite remessas a cubanos porque quer matá-los de fome. O que a senhora disse sobre a banalidade do mal? O homem, se é que o é, me deixa doente.

Fonte: The Unz Review

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!