Coronavírus – vacina de ‘iogurte’ da Rússia desencadeia resposta imunológica em animais durante os testes

No entanto, a eficácia da vacina contra o vírus vivo ainda não foi comprovada

mucosa
© Alexander Ryumin/TASS

Os testes de uma vacina russa contra o coronavírus que poderia ser administrada como um produto lácteo demonstraram que ela ajuda a desenvolver a resposta imunológica em animais de laboratório, disse um microbiologista russo em entrevista na terça-feira.

“Trabalhamos principalmente com animais <…> Ao contrário de outras vacinas atualmente em desenvolvimento por nossos colegas, a nossa é administrada por via oral e estimula a resposta imunológica máxima nos tecidos da mucosa, por isso é chamada de ‘mucosa’. Animais de laboratório demonstraram uma resposta imunológica muito boa, com anticorpos específicos detectados tanto nos tecidos mucosos quanto no sangue “, disse Alexander Suvorov, chefe do Departamento de Microbiologia Molecular do Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo.

De acordo com Suvorov, a vacina ajuda a produzir células T específicas que podem matar uma célula infectada pelo coronavírus.

“Este é um componente muito importante de uma vacina eficaz, e nossa vacina o contém”, disse o cientista russo.

No entanto, a eficácia da vacina contra o vírus vivo ainda não foi comprovada. Segundo Suvorov, os pesquisadores atualmente não têm oportunidade de testá-lo, pois os ensaios que envolvem a exposição ao patógeno ativo só podem ser realizados em instalações especiais, e todas estão ocupadas.

“No momento, estamos na fila”, disse o cientista.

O vice-presidente da Academia Russa de Ciências, Vladimir Chekhonin, disse na reunião do conselho da Academia neste verão que os cientistas russos estavam desenvolvendo uma vacina contra o coronavírus que poderia ser administrada como um produto lácteo. A pesquisa é conduzida por cientistas do Instituto de Medicina Experimental (São Petersburgo), disse ele. A vacina é mucosa, administrada por via oral, geralmente como um aerossol ou instilação. Os antígenos nessas vacinas geralmente estão contidos em microcápsulas que os protegem das enzimas digestivas.

Fonte: TASS

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =