Vaska – Como um gato salvou uma família durante o bloqueio de Leningrado

Vaska
A infância do gato Vaska – pintura de Vjacheslav Pobozhenskij

Com base em texto de autoria desconhecida

Durante a Segunda Guerra Mundial, os nazistas cercaram a cidade russa de Leningrado. A população foi forçada a lutar para impedir que o inimigo tomasse a cidade. Por quase dois anos e meio, os nazistas mantiveram seu bloqueio, que impediu o povo de Leningrado de receber alimentos ou outras necessidades.

Não é nenhum segredo que os famintos de Leningrado, sob o cerco nazista, comiam seus animais de estimação. Cães e gatos ajudaram seus donos a durar mais alguns dias. Surpreendentemente, também houve aqueles que foram capazes de salvar seus Zhuchek, Sharikov e Vasek da morte inevitável para a glória da vida. Um desses casos será a minha história …

Minha avó sempre disse que ela e minha mãe, sobreviveram ao bloqueio severo e à fome somente graças ao nosso gato Vaska.

O comportamento de Vaska e de tantos outros felinos não é difícil de acreditar. Aqueles que possuem um felino sabem que têm a habilidade de sentir quando seus humanos precisam deles. Naquele momento, eles são 100% para eles. É assim que a história mostra Vaska.

Todos os dias, o gatinho ruivo Vaska ia caçar e trazia os ratos para casa e, se o ganha-pão tivesse sorte, até um rato grande. Os ratos eram limpos e transformados em ensopado. E os ratos faziam um bom goulash. Ao mesmo tempo, o gato sempre ficava sentado ali esperando sua porção de comida. E à noite ele subia para junto de sua mãe e irmã humana para dividir um cobertor comum, aquecendo com seu calor e os embalava para dormir com seu ronronar.

O membro da família com cauda tinha outra qualidade valiosa – ele pressentia o bombardeio muito antes do anúncio das sirenes do ataque aéreo. Ele começava a girar e miar queixosamente. Os donos conseguiam arrumar suas coisas e sair correndo de casa. Quando eles fugiram para o abrigo, eles carregaram Vaska com eles. O mais importante e terrível neste caso é proteger o seu animal de pessoas famintas para que não o roubassem e comessem.

A fome era terrível. Vaska estava com fome como todo mundo e era magro. Durante todo o inverno até a primavera, minha avó coletava migalhas para os pássaros, e desde a primavera eles foram caçar com o gato. Minha avó despejava migalhas e se sentava com Vaska em uma emboscada, seu salto sempre foi surpreendentemente preciso e rápido. Vaska estava morrendo de fome conosco e não tinha força suficiente para manter o pássaro preso por muito tempo. Ele só tinha força para pular agarrar o pássaro e minho avó saia correndo do mato para ajudá-lo. Então, da primavera ao outono, eles também comiam pássaros.

No entanto, um final feliz veio. Vaska viu a retribuição de ser nobre com seus humanos.

Quando o bloqueio de Leningrado foi levantado e havia mais comida (e mesmo depois da guerra), minha avó sempre dava o melhor pedaço para Vaska. Ela o acariciava carinhosamente e dizia -” você é o nosso amado provedor”…

Vaska, o ganha-pão e salvador que deu tudo por seus humanos, morreu em 1949. Sua mãe humana o enterrou em um cemitério humano, e para que o túmulo não fosse pisoteado, colocou uma cruz e escreveu Vasily Bugrov. Quando chegou a hora, minha mãe enterrou minha avó ao lado do gato, e então enterrei minha mãe com eles, os três jazem juntos sob a mesma lápide. Portanto, todos os três estão atrás da mesma cerca, como uma vez fizeram na guerra sob o mesmo cobertor, agora eles estão unidos para sempre!

Talvez para preservar a história, para que nunca se repita, os russos têm a tarefa de estabelecer a ligação entre ela, a sobrevivência e as incríveis reações de um animal tão enigmático como o gato.

Na verdade, hoje sua história é contada nos museus de seu país.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!