Viajar pelo mundo não é tão simples, mesmo para os vacinados

turismo
Dados: Sherpa; Gráfico: Will Chase / Axios

Se você foi vacinado contra a Covid-19 talvez possa pensar que não haverá problema em viajar neste verão, inclusive internacionalmente. Mas é provável que você descubra que suas opções no exterior são limitadas por restrições de fronteira em muitos países.

Mas se você não fizer sua lição de casa antes de viajar, pode acabar preso em um aeroporto estrangeiro ou em quarentena em seu quarto de hotel por duas semanas.

A reabertura de viagens internacionais não é uma decisão unilateral. Enquanto os Estados Unidos estão à frente da maior parte do mundo em vacinações, outros países como a França estão impondo novos bloqueios em meio a novos surtos de coronavírus enquanto esperam que mais vacinas estejam disponíveis.

Saber quando e onde é seguro viajar é confuso, especialmente porque as regras mudam com frequência.

De acordo com a orientação de viagem atualizada do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), publicada em 2 de abril.

  • Viajantes totalmente vacinados não precisam mais fazer um teste antes de viajar para o exterior e podem evitar a quarentena no retorno. Mas eles ainda precisam fazer o teste três dias antes de embarcarem no avião de volta para os Estados Unidos, e também devem se monitorar para quaisquer sintomas e fazer o teste três a cinco dias depois de voltar para casa.
  • Ao viajar dentro dos Estados Unidos , as pessoas totalmente vacinadas não precisam ser testadas antes ou depois da viagem e também não precisam ficar em quarentena.
  • Em todos os casos, os viajantes devem usar máscara, ficar a dois metros de distância dos outros e lavar as mãos com frequência.

Muitas companhias aéreas e agências de viagens estão se movimentando para ajudar as pessoas a filtrar as regras e gerenciar todos os novos requisitos.

A Sherpa, especializada em requisitos de visto internacional, criou um mapa interativo que mostra o nível de restrições que os americanos encontrarão em cada país.

A PC Agency , uma consultoria de viagens do Reino Unido, criou um sistema de semáforos que designa os países como vermelhos, amarelos ou verdes, dependendo do nível de restrições.

O Lonely Planet também produziu um guia que lista os países vacinados que os americanos podem visitar sem grandes restrições.

Se seu destino de viagem é ir para a Albânia, Costa Rica, República Dominicana, México ou Tanzânia, você está pronto para ir sem problemas. Não há restrições, mesmo para quem não está vacinado.

Outros destinos, incluindo muitos no Caribe, Europa Oriental e África, exigem que os visitantes tenham um teste COVID negativo antes da chegada.

Alguns exigem quarentena obrigatória, mesmo com um teste negativo, embora alguns, como a Islândia, tenham criado novas isenções para viajantes vacinados.

Muitos destinos turísticos populares, incluindo França, Alemanha, Espanha e Grécia, permanecem proibidos para visitantes.

A parte mais difícil da viagem internacional pode ser voltar para casa. Todos os viajantes, incluindo americanos vacinados, precisam fazer um teste negativo antes de embarcar no voo de volta.

“É um dos grandes obstáculos para fazer as viagens voltarem, e é por isso que alguns pretensos turistas estão se segurando. É o medo de dar positivo”, disse Paul Charles, fundador da PC Agency.

Nesse ínterim, as companhias aéreas e os operadores de cruzeiros estão se esforçando para ajudar os passageiros a administrar tudo.

A American Airlines ajuda os passageiros a verificar os requisitos de viagem para seu destino, organizar um teste COVID pré-voo se necessário e carregar documentos com segurança em um aplicativo de passaporte médico móvel chamado VeriFLY.

A United Airlines oferece ajuda semelhante por meio de seu Travel-Ready Center.

A Viking é a primeira empresa de cruzeiros a adicionar laboratórios de teste PCR em grande escala em todos os seus navios oceânicos. Faz parte de um plano de retomar os cruzeiros em junho para passageiros vacinados, começando pelas Bermudas, Islândia e Reino Unido.

Conforme as viagens voltam lentamente, criar segurança e tranquilidade para os passageiros é o foco número um, diz o consultor de viagens Shashank Nigram, CEO da Simpliflying. “Isso fará parte da psique de viagens daqui para frente.”

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − dez =