Cidade de 3.000 anos perdida nas areias foi descobertas em Luxor, no Egito

O chefe da missão observou que as escavações começaram em setembro de 2020 e tinham como objetivo descobrir o templo mortuário de Tutancâmon

egito
© AP Photo / Nariman El-Mofty, arquivo

Uma cidade que se perdeu nas areias e foi fundada há mais de 3.400 anos foi desenterrada em Luxor, no sul do Egito, Zahi Hawass, chefe da missão arqueológica egípcia responsável pela descoberta, disse quinta-feira, segundo o jornal Al Balad .

De acordo com o famoso egiptólogo que chefiava o Ministério das Antiguidades, a cidade foi construída aproximadamente na época de Amenhotep III da Décima Oitava Dinastia (por volta de 1388-1351 aC) e prosperou por décadas até o reinado do Faraó Tutancâmon (por volta de 1332-1323 BC). “A cidade foi chamada de Ascensão de Aton e serviu como um importante assentamento administrativo e industrial do império egípcio na margem oeste do Nilo em Luxor”, observou Hawass. “Já naquela época, a cidade era dividida por ruas, enquanto os prédios chegavam a três metros de altura.”

O chefe da missão observou que as escavações começaram em setembro de 2020 e tinham como objetivo descobrir o templo mortuário de Tutancâmon. “Edifícios feitos de tijolos começaram a emergir da areia em algumas semanas, e ficamos surpresos quando percebemos a enorme cidade que estamos testemunhando diante de nós”, disse ele. “Está bem preservado, as casas construídas estão quase intactas, enquanto muitos cômodos estão cheios de utensílios domésticos, como se os moradores tivessem acabado de sair, deixando tudo onde estava”. Segundo ele, as camadas arqueológicas não são tocadas há milhares de anos.

Os arqueólogos conseguiram determinar que havia três palácios de Amenhotep III na cidade, bem como o centro administrativo e industrial do império. Cerâmicas coloridas, tijolos de argila com o selo do rei, joias, amuletos em forma de escaravelho e outros artefatos ajudarão os cientistas a entender a história e o modo de vida desta cidade.

“A escavação contínua dá aos arqueólogos acesso ao funcionamento original da cidade, estudá-la se tornará um material valioso para uma compreensão mais profunda da vida cotidiana dos antigos egípcios”, concluíram os especialistas. “Até agora, apenas um terço da cidade foi escavado, as principais obras ainda estão por vir, incluindo o território onde possivelmente poderia ser localizado o templo mortuário de Tutancâmon.”

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!