A China está comprando cereais em grandes quantidades. Em breve a comida será “ouro”

A China, avaliando sobriamente a crise energética global, as mudanças climáticas e as consequências da pandemia, está comprando alimentos em massa no mercado mundial.

trigo

Do jornal japonês  nikkei :

Metade das reservas mundiais de grãos estão localizadas na China

Citando estimativas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o jornal afirma que já metade das reservas mundiais de grãos, milho e arroz estão na China.

“A China estoca 69% do milho mundial, 60% do arroz, 51% do trigo e mais de 30% da soja”, escreveu Nikkei em 19 de dezembro.

Atualmente, as reservas chinesas são as maiores dos últimos anos e, segundo as autoridades chinesas, vão durar cerca de 1,5 ano. No entanto, os estoques de trigo da China estão diminuindo, apesar da reposição constante. Isso é evidenciado pelos dados de especialistas do USDA sobre o fim dos estoques desse grão.

As compras são uma medida forçada, uma vez que a produção doméstica está estagnada desde 2015, disse o professor da Universidade de Aichi, Goro Takashahi, ao Nikkei .

Ele observa que os rendimentos da China são baixos, inclusive devido à poluição do solo, e os agricultores estão migrando para megacidades.

Acúmulo da China leva à alta dos preços dos alimentos

Por sua vez, Akio Shibata, presidente do Instituto de Pesquisa de Recursos Naturais de Tóquio, acredita que o acúmulo da China leva a preços mais altos dos alimentos no mundo.

Com isso, o índice de preços de alimentos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) atingiu, em novembro, valores recordes nos últimos dez anos. O indicador, que acompanha 95 alimentos básicos, elevou 1,2% ao mês e 27,3% em termos anuais. Os preços dos grãos aumentaram 23,2% no ano, óleos vegetais 53%, produtos lácteos 19,1%, carne 17,6%, açúcar quase 40%.

Durante todo o tempo de estatísticas da FAO disponíveis, esse rápido aumento no preço ocorreu apenas uma vez – em 1973-74, no contexto da crise do petróleo, quando os países do Oriente Médio impuseram um embargo ao fornecimento ao Ocidente em resposta dos árabes ao conflito com os israelense.

Pandemia, crise de energia, La Niña

A atual alta de preços, segundo o jornal japonês, também se baseia na crise de energia, para a qual não há fim à vista. Por causa do “choque” do gás na Europa, as fábricas de fertilizantes pararam, a ureia subiu de preço em 100% – até US $ 650 por tonelada, atingindo o maior preço desde 2012. Os preços dos fertilizantes de potássio e fosfato aumentaram duas a três vezes e também atingiram recorde em comparação a vários anos anteriores.

Isso promete uma nova onda de aumentos nos preços dos alimentos, conclui Nikkei.

Acrescentamos que outro problema é que antes da pandemia, os consumidores compravam muitos produtos agrícolas conforme necessário. Então o COVID-19 chegou, a atividade comercial despencou e os compradores se arrependeram de não aumentar seus estoques, especialmente com o aumento da demanda.

O terceiro problema é a fria Corrente La Niña, que há dois anos vem sustentando secas e furacões em terras adjacentes ao oceano Pacífico central e oriental. Na Argentina, no sul do Brasil e no sul dos Estados Unidos, o clima tornou-se mais seco e quente, o que reduziu a produção de cereais nesses importantes celeiros do mundo.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!