A guerra por procuração da OTAN contra a Rússia sempre foi em essência terrorismo

A tentativa dos Estados Unidos e dos seus parceiros da OTAN de criar uma narrativa falsa sobre o ataque terrorista de Moscou apenas sublinha a sua culpabilidade e a profundidade da sua depravação.

fotos
Reprodução

O ataque terrorista num subúrbio de Moscou na semana passada foi indiscutivelmente orquestrado e possibilitado pelas potências ocidentais. Em muitos aspectos, não deveria haver surpresa sobre isto, porque a guerra por procuração da OTAN contra a Rússia foi sempre essencialmente “não convencional” – ou, mais claramente, terrorista.

O momento da ação para desencadear atos de terrorismo mais flagrantes reflecte o fato de que a guerra por procuração da OTAN liderada pelos EUA na Ucrânia está a enfrentar uma derrota histórica e, portanto, os inimigos da Rússia estão – por necessidade – a mudar para táticas terroristas não convencionais.

Apenas uma semana depois da atrocidade em que mais de 140 pessoas foram mortas a tiro por terroristas armados num teatro, foi bastante bem avaliado quem organizou o assassinato em massa de cidadãos russos.

Os desencadeadores podem ter sido quatro indivíduos do Tajiquistão, mas parece quase certo que os mentores por detrás do massacre foram a CIA e outras agências de inteligência ocidentais que trabalharam em conluio com o regime neo-nazi de Kiev.

O que resta determinar é até que ponto na administração Biden foi elaborado este plano nefasto. A suspeita aponta para o chefe da segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, e para a ex-funcionária do Departamento de Estado, Victoria Nuland. Esta última foi a pessoa responsável pelos truques sujos e secretos na Ucrânia, desde o golpe de Maidan em Kiev, orquestrado sob o seu comando juntamente com a CIA. Pouco antes de Nuland renunciar ao cargo no mês passado, ela gabou-se das “surpresas desagradáveis” que aguardavam a Rússia.

Investigadores russos estabeleceram um rasto de dinheiro desde o regime de Kiev até aos assassinos. Já se sabia numa fase anterior que os atiradores tentavam fugir para a Ucrânia de carro, através da fronteira russa. O chefe da inteligência militar da Ucrânia, Kyrylo Budanov, é um ativo americano – tal como todo o regime de Kiev. Ele mantém estreita ligação com os serviços de inteligência americanos e britânicos. O prazer de Budanov com a atrocidade de Moscou implica não só o seu envolvimento neste crime horrendo, mas também os seus mestres de marionetas na CIA e no MI6.

A estranha insistência de Washington e Londres de que o regime de Kiev não teve nada a ver com o crime e que tudo foi cometido exclusivamente por terroristas islâmicos é ridícula, mas também incriminatória. Os meios de propaganda ocidentais aproveitaram imediatamente a deixa para divulgar a narrativa de Washington de que o ataque terrorista em Moscou foi levado a cabo por islamistas supostamente afiliados a algum grupo obscuro (ISIS-Khorasan) baseado no Afeganistão. Ao inventar esta história de capa, o Ocidente assume ingenuamente que isso deixa o regime de Kiev e os seus patrocinadores da OTAN fora de perigo. Além disso, os Estados Unidos e os seus aliados europeus zombaram da Rússia por ignorar a identidade superficial dos terroristas e por alegadamente tentarem difamar o Ocidente.

Se os meios de comunicação ocidentais não estivessem tão saturados de desinformação e lavagem cerebral, seria absolutamente claro que os Estados Unidos e os seus parceiros da OTAN têm uma longa e bem documentada história de patrocínio dos chamados grupos terroristas islâmicos para fazerem o seu trabalho sujo de mudança de regime e outras operações ilegais.

Não há absolutamente nenhuma contradição na análise da Rússia de que o assassinato em massa em Moscou foi orquestrado por patrocinadores estatais ocidentais, recorrendo a assassinos islâmicos. Pelo contrário, existe uma ligação volumosa desde as origens da Al Qaeda no Afeganistão na década de 1980, ao destacamento de jihadistas terroristas na Chechênia para desestabilizar a Rússia na década de 1990 e no início da década de 2000, às guerras de mudança de regime no Médio Oriente noa década passada, melhor exemplificado na Síria.

Esta semana, conforme relatado por Vanessa Beeley, houve um recrudescimento de ataques terroristas na cidade síria de Aleppo por jihadistas apoiados pelos Estados Unidos, OTAN e Israel.

Os estados ocidentais estão totalmente envolvidos no fomento, armamento e direção de vários grupos terroristas islâmicos, incluindo a Al Qaeda, o Estado Islâmico (ISIS), os combatentes chechenos, Hayat Tahrir al-Sham, Jabhat al Nusra, ISIS-K e inúmeras outras iterações.

Após a derrota da guerra secreta de mudança de regime da OTAN na Síria, como resultado do apoio da Rússia ao governo sírio do Presidente Bashar al-Assad, os bandos terroristas jihadistas encontraram uma nova arena para o seu emprego assassino no feudo da OTAN na Ucrânia. A junta banderita, com a sua ideologia neonazista de exterminar os russos, encontrou um propósito útil para os pistoleiros contratados pela CIA e pelo MI6. Muitos destes jihadistas patrocinados pelo Ocidente, da Síria, da Chechênia e de outros lugares, juntaram-se às legiões estrangeiras da OTAN para lutar pelo regime de Kiev contra a Rússia na Ucrânia.

Este ano assistimos a um aumento nos ataques terroristas em território russo vindos da Ucrânia, principalmente nas regiões de Belgorod e Bryansk. Estes ataques envolveram esquadrões neonazis que trabalham com islamistas e todos armados e dirigidos pela CIA e pelos britânicos.

É, portanto, natural que estes instrumentos de terror apoiados pelos EUA e pela OTAN também tenham sido utilizados para levar a cabo o tiroteio em massa no teatro Crocus City Hall, nos arredores de Moscou, na semana passada.

As únicas pessoas que consideram esta avaliação “absurda” são os patrocinadores ocidentais e os seus meios de comunicação social que fazem lavagem cerebral e que estão desesperados para encobrir os seus rastos num ato de terrorismo hediondo.

As alegações de Washington de que alertou os russos sobre um ataque terrorista iminente em 7 de Março merecem uma menção especial com desprezo. Esse alerta foi vago e incompleto. Não transmitiu o aviso adequado, como admitiu esta semana o New York Times. O alerta terrorista não foi de nenhuma ajuda prática para a Rússia evitar o crime perto de Moscou, em 22 de Março. Mas o que conseguiu foi dar aos americanos uma alegação plausível de que tentaram emitir um alerta e que parece reforçar a narrativa dos terroristas islâmicos. trabalhando separadamente e sozinho.

A tentativa dos Estados Unidos e dos seus parceiros da OTAN de criar uma narrativa falsa sobre o ataque terrorista de Moscou apenas sublinha a sua culpabilidade e a profundidade da sua depravação.

É também chocante que tão pouca simpatia e compaixão humana básica tenham sido demonstradas no Ocidente para com o povo russo. Existe um sentimento perverso de culpar as vítimas, em grande parte fomentado pelos políticos e meios de comunicação russofóbicos. Recorde-se que quando ocorreram ataques terroristas noutras nações, por exemplo em Paris em 2015, o mundo iluminava edifícios públicos com as cores francesas por solidariedade. Nenhuma tal compaixão foi demonstrada para com as vítimas russas do terrorismo.

A guerra por procuração que os EUA e os seus cúmplices desencadearam contra a Rússia na Ucrânia em 2014, culminando em 2022, sempre foi uma guerra não convencional que está mergulhada num conflito não convencional muito maior.

Quando a Alemanha nazi foi derrotada pelo Exército Vermelho Soviético em 1945, os imperialistas ocidentais agiram imediatamente para implementar alternativas terroristas para derrotar a Rússia. Os remanescentes nazis na Ucrânia foram redistribuídos para aterrorizar a Rússia nas décadas de 1950 e 60, com a CIA e o MI6 a dirigirem o tráfego atrás das linhas inimigas. O regime de Kiev que tomou o poder em 2014 é uma continuação do modus operandi. A rede terrorista islâmica que os americanos e os britânicos criaram aumentou as táticas não convencionais, tal como a guerra econômica através de sanções, a explosão de gasodutos submarinos, os jogos de guerra da OTAN que ensaiaram ataques nucleares à Rússia, e assim por diante.

A guerra por procuração que utiliza a Ucrânia como campo de batalha atingiu um ponto final histórico. A derrota deve-se às formidáveis ​​forças armadas da Rússia, ao desafio político de Moscou e à tenacidade do povo russo, como se viu recentemente na reeleição esmagadoramente popular do Presidente Vladimir Putin.

Os Estados Unidos e os seus asseclas imperialistas estão num dilema profundo, pois são forçados a enfrentar um momento histórico de némesis. Os inimigos ocidentais não podem aceitar publicamente a derrota – politicamente será um inferno para estes criminosos belicistas quando os cidadãos ocidentais perceberem plenamente as perdas horríveis e a culpabilidade dos seus chamados governos eleitos.

Os inimigos da Rússia investiram tudo na guerra por procuração na Ucrânia – mais de 200 bilhões de dólares em armas e apoio financeiro – e não conseguiram infligir o seu tão almejado objetivo ulterior de derrotar estrategicamente a Rússia. São eles que enfrentam agora uma derrota estratégica.

Notavelmente, esta semana, um alto comandante militar britânico, o tenente-general Sir Robert Magowan, admitiu que a Grã-Bretanha não duraria dois meses numa guerra convencional contra a Rússia. A mesma perspectiva abjeta pode ser dita relativamente às forças armadas dos Estados Unidos e de outros membros da OTAN.

Os imperialistas ocidentais esgotaram os seus arsenais militares ao apoiarem de forma imprudente o regime neonazi na Ucrânia numa missão fútil para subjugar a Rússia.

Dado o estado desesperador dos inimigos ocidentais, eles estão a recorrer ao modo de guerra totalmente híbrido ou não convencional no seu esforço psicótico para conquistar a Rússia e afirmar a hegemonia ocidental. Isso significa que o tipo de ataques terroristas que vimos na semana passada em Moscou e durante as semanas anteriores em Belgorod, Bryansk e Kursk irão provavelmente aumentar.

No mínimo, Moscou precisa agora de destruir a frente da OTAN conhecida como regime de Kiev para impedir o ataque terrorista.

Main Page

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!