A maioria dos americanos não serviria em caso de outra guerra mundial

A moral ocidental – como testemunhado pela falta de vontade de servir os seus países no caso de outra guerra mundial – raramente foi tão sombria.

fotos

Robert Bridge

A maioria dos americanos diz que há pelo menos alguma probabilidade de rebentar outra guerra mundial nos próximos 10 anos, mas a maioria diz que não se alistaria para servir em combate ou em funções de não-combatente se os Estados Unidos estivessem envolvidos.

Uma nova sondagem YouGov revelou que 22% dos americanos acreditam que é “muito provável” que haja outra guerra mundial nos próximos cinco a 10 anos; 39% dizem que é “um tanto provável”. Divididos politicamente, um terço dos republicanos acredita que é “muito provável” que haja outra guerra mundial na próxima década; 20% dos independentes e 16% dos democratas concordam com esta afirmação.

Apesar de os Estados Unidos e os seus aliados da OTAN terem esgotado os seus fornecimentos militares a um ritmo vertiginoso numa guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia, e de Moscou demonstrar poderes ofensivos temíveis, os americanos ainda permanecem otimistas sobre qualquer hipotética guerra contra a Rússia e a China. Se houvesse uma guerra mundial em que os EUA e os seus aliados lutassem contra a Rússia, a China, ou ambas, é mais provável que os americanos digam que os estados membros da OTAN venceriam do que que perderiam.

No entanto, o otimismo patriótico desaparece rapidamente no cenário hipotético que coloca tanto a China como a Rússia – e os seus aliados – contra as nações ocidentais e os seus aliados numa guerra mundial. Apenas 45% dos americanos dizem que as nações ocidentais sairiam vitoriosas, enquanto 55% são da opinião que uma coligação composta por Moscou, Pequim e os seus aliados venceria.

Num inquérito semelhante do YouGov realizado no Reino Unido, apenas 21% dos adultos britânicos acreditam que as forças ocidentais perderiam para a China, a Rússia e os seus aliados no caso de uma guerra mundial.

Surpreendentemente, se eclodisse uma conflagração global envolvendo os Estados Unidos, apenas 6% dos americanos dizem que se alistariam para o serviço militar, enquanto 9% dizem que não se voluntariariam, mas serviriam se fossem convocados, e 13% dizem que não o fariam de forma voluntária e se recusaria a servir se fosse convocado. Entretanto, impressionantes 60% dizem que as forças armadas não tentariam recrutá-los devido à idade ou deficiência. No entanto, no caso de os EUA se encontrarem sob ameaça iminente de invasão, a percentagem de pessoas que se voluntariariam para o serviço militar aumenta para 16%. No entanto, 47% dizem que mesmo em circunstâncias tão extremas, não acham que os militares quereriam que servissem devido à idade ou deficiência.

“Os americanos estão mais abertos à ideia de servir em funções não-combatentes no caso de uma guerra mundial”, diz Jamie Ballard, jornalista de dados do YouGov. “19% dizem que se voluntariariam para esse tipo de função; 12% não se ofereceriam como voluntários, mas serviriam se fossem convocados.

Se os EUA estivessem sob ameaça iminente de invasão, 26% se ofereceriam como voluntários para serviços não-combatentes. 42% dos americanos dizem que o governo não os quereria para funções não relacionadas com o combate por razões relacionadas com a idade ou deficiência; 38% dizem que o governo não gostaria que eles servissem por estas razões, mesmo que os EUA estivessem sob ameaça iminente de invasão.”

A pesquisa ocorre em um momento de maiores tensões globais. Washington encontra-se enredado em múltiplos conflitos, colocando a América à beira da guerra em vários teatros. Além de participar numa guerra por procuração na Ucrânia contra a Rússia, Washington está envolvido no Médio Oriente, onde fornece a Israel milhares de mísseis na sua guerra contra o Hamas na Faixa de Gaza. Ao mesmo tempo, os EUA conduziram uma campanha de bombardeamentos contra o Iraque, a Síria e o Iémen, enquanto três soldados americanos foram mortos na Jordânia no início deste ano.

“Mesmo nos corredores da Casa Branca, as autoridades dos EUA estão preocupadas que a política de Biden para o Médio Oriente possa levar a uma guerra mais ampla com o Irã e o Hezbollah no Líbano”, escreve Kyle Anzalone do Libertarian Institute.

Entretanto, Washington avançou com um reforço militar na Ásia-Pacífico, aumentando as tensões com os estados comunistas da Coreia do Norte e da China.

Em resposta aos avanços imprudentes dos EUA, o líder norte-coreano Kim Jong-un realizou testes de mísseis no meio de uma retórica inflamatória. Ao mesmo tempo, Pequim respondeu ao apoio de Washington a Taipei e Manila com exercícios militares dentro e ao redor do Pacífico Asiático.

O mais preocupante para os decisores políticos de Washington é que, embora as perspectivas de outra guerra mundial nunca tenham parecido maiores, o moral ocidental – como testemunhado pela falta de vontade de servir os seus países no caso de outra guerra mundial – raramente foi tão sombrio.

strategic-culture.su

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!