Agressão em fábrica no Japão – o dia a dia de quem não pode se defender!

As imagens abaixo foram gravadas na fábrica Tokai Seki na cidade de Iwata. Onde um funcionário aparece agredindo outro funcionário dentro da fábrica. Um detalhe que chama atenção é que o rapaz agredido é portador de necessidades especiais. Essas agressões tanto física como verbais acontecem com frequência não só contra funcionários que não tem como se defender por sua deficiência, acontece também contra funcionários novatos, terceirizados e estrangeiros.

O Ijime (bulling) é uma atitude frequente em muitas fabricas japonesa e são praticados e incentivados por funcionários efetivos os chamados de seishain. Devido à cultura japonesa, a maioria dessas agressões não é denunciada as autoridades competentes. Porém dessa vez para o azar do agressor, ele foi gravado e segundo informações, por brasileiros inconformados com a situação do rapaz.

Entendendo as diferenças entre trabalhadores japoneses:

O funcionário efetivo (seishain ou apenas shain) é aquele trabalhador com contrato por tempo indefinido e que supostamente permanecerá na empresa até aposentar-se. Os japoneses diferenciam entre o seishain (assalariado efetivo, permanente) e o hi seishain (não efetivo). Entende-se por não efetivo o trabalhador que faz trabalhos temporários, é contratado por empreiteiras (haken shain) ou possui contratos de trabalho específicos (keiyaku shain), seja por tempo determinado (yuuki keiyaku) ou indeterminado (sadameno nai keiyaku).

Vídeo postado originalmente: Japão a terra do sol nascente

Compartilhar:

One thought on “Agressão em fábrica no Japão – o dia a dia de quem não pode se defender!

  1. Impressionante como ainda temos esse tipo de comportamento por parte dos seres humanos, ainda mais em países considerados referência como é o Japão. Respeito é o mínimo que um ser humano merece para manter a sua dignidade humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =