As faíscas acenderá fogo: o primeiro reator nuclear da Europa lançado há 75 anos

Em dezembro de 1946, acontecimentos ocorreram nos arredores de Moscou que se tornariam “históricos” em um futuro próximo. Foram eles que determinaram em grande parte o destino da humanidade, sua vida sem uma guerra global e com um novo tipo de energia, que hoje, segundo muitos cientistas, salvará o mundo de uma catástrofe ambiental – quero dizer, a energia nuclear.

Kurchatov
Igor Vasilyevich Kurchatov

Por Vladimir Gubarev, tradução Mark Kim

Porém, então, no duro mês de dezembro 46, quando, ao contrário do presente, ocorreram grandes nevascas, o protagonista dos acontecimentos – o chefe do Laboratório nº 2, o futuro lendário acadêmico Igor Kurchatov – não pensou no futuro distante, já que tinha uma tarefa muito específica pela frente: o primeiro reator nuclear. E tinha que ser feito o mais rápido possível, pois disso dependia o destino de todo o Projeto Atômico da URSS.

E as coisas estavam indo muito mal. Primeiro, Stalin instruiu VM Molotov para chefiar os assuntos atômicos . As informações vinham de fora e, portanto, a supervisão “sobre o átomo” deve ser “estrangeira”, na qual Molotov foi quem melhor compreendeu.

No entanto, o fiel camarada de armas do líder não tinha experiência em trabalho administrativo e econômico e conhecia mal a indústria. Ele considerou a nova atribuição “uma questão de importância secundária” e, portanto, os pedidos de Kurchatov muitas vezes não eram atendidos. A situação estava ruim com a construção do Laboratório nº 2 e com o equipamento.

Em 1939, Bruno Pontecorvo relatou à Moscou: “O navegador italiano chegou ao Novo Mundo.”

Com essa frase, o jovem cientista italiano relatou que Enrico Fermi havia conduziu o primeiro experimento de fissão nuclear nos porões do Pupin Hall (Universidade de Chicago).

Quatro anos se passaram desde aquela época – este foi o período real de nossa defasagem em relação aos americanos.

Em dezembro de 1944, Stalin instruiu Beria, que regularmente informava sobre o estado dos assuntos atômicos nos Estados Unidos – relatórios de oficiais de inteligência chegavam cada vez com mais frequência para a liderança do Projeto Atômico. E Lavrenty Pavlovich Beria assumiu essa nova missão para si de forma decisiva, severa, com seu escopo inerente. A ordem foi restaurada literalmente em poucos dias. Agora era estritamente proibido desligar o Laboratório nº 2 da fonte de alimentação (isso já acontecia com frequência antes), os construtores começaram a cumprir seus planos, cada atraso na entrega de equipamentos e instrumentos era considerado “tratar o assunto com o próprio Beria”. E isso na maioria das vezes levava a decisões bastante difíceis: não, não prisão, mas rebaixamento ou demissão do trabalho eram bastante reais.

Aliás, houve, é claro, prisões, mas principalmente por descumprimento do sigilo, ou seja, divulgação do que era considerado “segredo de Estado”. E o Projeto Atômico tudo era segredo, não havia exceções …

Beria
Beria e o Projeto atômico

Os cientistas imediatamente sentiram a mão rígida de Beria. E agora não havia mais desculpas para o atraso de uma ou outra de suas obras. No entanto, eles próprios compreenderam: não deviam hesitar – afinal, começou nos Urais a construção de um reator industrial, embora ainda não existisse um experimental.

Kurchatov passou dias e noites nas “Oficinas de Montagem”, onde começou a montagem do reator. A casa alocada a Igor Vasilyevich para moradia ficava próxima – então não havia necessidade de perder tempo indo e voltando do trabalho. A impressão era que Kurchatov trabalhava sem parar, sem saber o que era dormir nem descansar.

Bastava urânio puro, a grafite mais pura, a forma ideal dos blocos, que se encaixavam um após o outro na grade do reator. Kurchatov verificou cada elemento sozinho. Não, não porque ele não confiasse em seus funcionários – havia um sentimento diferente – um senso de responsabilidade. Afinal, mesmo o menor erro pode prejudicar todo o experimento.

A primeira camada foi colocada em meados de novembro. De acordo com os cálculos, cerca de 70 camadas eram necessárias e, então, uma reação em cadeia começaria. No entanto, não havia pressa e a verificação, minuciosa e sem pressão, era contínua. Camada por camada foi colocada, hastes de emergência foram instaladas, os dispositivos auxiliares não eram desligados … Após a 50ª camada, o próprio Kurchatov colocou os blocos.

Mas não havia ainda reação.

Os primeiros sinais de uma reação em cadeia que havia começado apareceram somente na noite de 24 de dezembro. A colocação da 61ª camada estava em andamento …

Kurchatov ordenou que todos saíssem do prédio. Só ele e os funcionários que colocaram os blocos permaneceram no reator …

No meio do dia 25 de dezembro, quando a 62ª camada foi colocada, o reator começou a funcionar continuamente – um som uniforme que se fundiu a partir de notas individuais em uma melodia atômica contínua parecia à todos, e antes de tudo ao próprio Igor Vasilyevich, um grande sinfonia da ciência, que agora está destinada a soar para sempre na história da humanidade.

Oh, como eu queria compartilhar essa alegria com meus entes queridos!

Mas nenhum deles não só não sabia, como nem adivinhava sobre esse acontecimento – afinal, o sigilo era total.

O lendário ministro de Sredmash – (Ministério da Indústria de Construção de Máquinas Médias da URSS) o departamento atômico por quase 30 anos, Efim Pavlovich Slavsky, lembrou:

“Um dia Kurchatov liga para mim”:

– Venha, temos negócios muito interessantes!

Foi o primeiro reator que “ligou”, e Igor Vasilyevich demonstrou como estava ocorrendo uma grande reação.

Então ele diz:

– Não conte à ninguém!

Juntos, chegamos ao PGU (sigla em russo para Universidade Estatal de Penza). Slavsky permaneceu em seu escritório, enquanto Kurchatov corria para se encontrar com Vannikov e Zavenyagin.

Logo eles saíram, mas não me levaram com eles, embora eu fosse o ministro responsável pelos reatores.

Acontece que eles foram relatar a Beria, e ele imediatamente ligou para Stalin, que imediatamente recebeu a todos …

À noite, Kurchatov me avisou:

– Não diga nada a ninguém! Nenhuma informação para ninguém …

Por dois meses, nem Vannikov, nem Zavenyagin, nem Kurchatov disseram uma palavra sobre o reator na minha presença – descobri que eu “não deveria” saber o que aconteceu …

Em 9 de janeiro, ocorreu uma reunião no Kremlin. Stalin parabenizou os cientistas e líderes do Projeto Atômico por seu sucesso, disse que uma Resolução do Conselho de Ministros havia sido assinada sobre bônus para todos os participantes no start-up do primeiro reator e desejou-lhes mais sucesso em seu trabalho.

Mais reuniões desse tipo não foram realizadas com os participantes do Projeto Atômico. Stalin confiou totalmente em Beria, e basicamente com ele toda semana resolveu muitos problemas – científicos, técnicos, econômicos e todos os outros que surgiram no caminho da formação e do desenvolvimento da indústria nuclear do país.

“Uma faísca acenderá uma chama” – esta verdade aparentemente banal começou a se materializar, elevando-se acima do país não apenas com cogumelos de explosões nucleares, mas também com poderosos edifícios de usinas nucleares.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!