Autoridades ignoraram pedido de ajuda de menina japonesa morta por seu pai

Mia Kurihara

Infelizmente o abuso e agressões covardes de crianças acontecem em todo mundo. Quando acontece uma notícia como essa, é como uma parte da humanidade que se perde. Espero a chegada de um dia em que todas as crianças do mundo inteiro tenha um tratamento digno e uma família decente que as cuidem com muito amor!

Do Mainichi Shimbun e International Press

Em 24 de janeiro, Mia Kurihara, uma menina de 10 anos, foi encontrada morta no banheiro de sua casa na cidade de Noda, província de Chiba. Seu pai Yuichiro Kurihara, um homem de 41 anos, foi preso por matar a garota.

Yuichiro Kurihara – O pai assassino

Sua morte teve um impacto profundo na sociedade japonesa, ainda mais quando a mídia japonesa informou que, se as autoridades responsáveis ​​por proteger crianças como Mia tivessem agido de forma eficaz, ela provavelmente estaria viva.

Mia morreu no mês passado, mas era sabido desde novembro de 2017 que seu pai abusou dela.

A mesma garota revelou em um questionário realizado pela escola onde ela estudava seus alunos.

O município de Noda publicou uma cópia das respostas da menina. Um funcionário explicou que eles decidiram tornar o questionário público porque o pai da vítima nega o abuso à sua filha.

O jornal Mainichi Shimbun publicou um trecho:

“Meu pai me acorda no meio da noite, e quando eu estou acordada, me chuta e me bate. Professora, você pode fazer alguma coisa?

A professora falou com Mia e detalhou os abusos (tudo o que também foi anotado): bateu nela dez vezes com o punho; chutou na cabeça, nas costas e no pescoço; ela cobriu a boca e apertou-a no chão, e ela fez o mesmo com a mãe de Mia em Okinawa (a família da mãe da garota é dessa prefeitura).

A escola comunicou com as autoridades da cidade, que colocaram o caso em um centro de consulta infantil, que tinha temporariamente sob sua custódia. No entanto, ele mais tarde permitiu que a menina voltasse para casa de seus pais, onde eles continuaram a abusar dela.

Mia, além disso, foi traída. O questionário que ela respondeu na escola era confidencial. No entanto, quando seu pai soube da existência do questionário, ele exigiu que ele recebesse a cópia.

O conselho de educação da cidade inicialmente recusou-se a dar-lhe a cópia. No entanto, intimidado pela atitude beligerante do pai, um funcionário concordou em dar-lhe o documento. O abusador tinha consigo uma carta de “consentimento” de Mia, na qual supostamente lhe dava permissão para entregar a cópia a seu pai.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 1 =