Revolta popular e as eleições europeias. Capitalismo, o Estado e a Nação

fotos

Os desafios do século 21 são imensos. Agora, com um efeito dessa demora muito impertinente, o planeta nos diz que não podemos mais fazê-lo da maneira irresponsável, na maneira em que a humanidade à habita e a utiliza. Além dos danos humanos causados ​​pela ação capitalista e a devastação dos países causada pelas guerras imperialistas egoístas, há agora desastres naturais em série que marca a ruptura global no vínculo entre cultura e natureza. Nesta luta, é o futuro cultural que é mais ameaçado e não a natureza.

No ponto em que estamos, é importante procurar todas as alavancas que são úteis para neutralizar esse salto mortal. Se o Estado em um sistema capitalista é uma “jibóia”, como Marx descreveu em 1871 na Guerra Civil na França – e como sempre demonstrado pelo monarca Macron, cujo orgulho e cooptação de classe não permite faze-lo reconhecer a eleição de um concorrente por sua própria falha – é necessário, sem perder tempo, imaginar onde estão os meios efetivos e rápidos de luta.

A eleição européia, prevista ao mesmo tempo em todos os países europeus, é um desses meios. Particularmente em um país como a França, o Estado é uma construção lenta de vários séculos, o maior dos quais foi estabelecido pela Revolução que, após cinco anos extraordinários, não pôde completar sua missão, especialmente no terreno econômico. Todos os conflitos sociais a seguir destacaram o fato de que não existe uma República digna do nome se não for uma República Social onde a “liberdade, igualdade, fraternidade” possa finalmente encontrar todas as suas dimensões individuais e coletivas. O que a torna realmente uma República e indivisível, que a secularidade vem se consolidar.

O capitalismo global decidiu acabar com os Estados. O exemplo francês é particularmente notável: depois de criar nas décadas de 1950 e 1980 um capitalismo usando todo o aparato do Estado (Commissariat au Plan, etc.), os governos se voltaram para se libertar, pior cancelá-lo em favor de um conglomerado europeu cujo recente diálogo franco-alemão dá o significado oculto. Com o que, a esquerda e a direita complacentes prontas para tudo perdem seus fundamentos: o mundo globalizado das finanças, mesmo em um planeta enfraquecido, excita a ganância. As revoltas populares é o resultado da indignação devido a uma crescente França de desempregados e economicamente limitados (trabalhadores e empregados, funcionários públicos e executivos, pequenos chefes e independentes).

As eleições europeias devem ser uma oportunidade para lidar com essa predação. O Estado, do nível central para os níveis intermediário e local, os serviços públicos, que muitos países ainda nos invejam, devem ser reativados o mais rápido possível em todo o país, com um sistema de tributação justa e cidadãos-funcionários públicos determinados a servir-lo exclusivamente. Com esta condição, a nação é e será verdadeiramente social e emancipatória para todos, inclusive para os migrantes. Então isto deve ser confirmado por uma Sexta República. Macron não vai se safar espalhando bônus, devastando os históricos patrimônios nacionais e animando o palanque como um homem solitário que já é!

Texto adaptado: Do l’Humanité – Françoise Bosman, Curador Geral Honorário do Patrimônio

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!