Como Cingapura passou de referência ao descontrole no combate do Covid-19

Nos primeiros dias da pandemia de coronavírus, Cingapura era portadora de padrão global para controlar a doença mortal. Agora é o local do maior surto registrado do sudeste da Ásia e está correndo contra o tempo para recuperar o controle

Cingapura
Trabalhadores migrantes são fotografados do lado de fora de seus quartos em um dormitório em Cingapura | REUTERS
Por FARIS MOKHTAR

Uma razão por trás dessa reversão provavelmente pode ser encontrada nos primeiros seis dias em fevereiro, quando o primeiro sinal do que seria uma explosão nos casos entre trabalhadores migrantes apareceu pela primeira vez. É uma história de advertência de como até os países com experiência em lidar com epidemias podem ser prejudicados por essa doença indescritível, especialmente quando ela se enraíza em comunidades desfavorecidas.

No início de fevereiro, Cingapura teve um surto de baixo nível que conseguia conter efetivamente sem medidas disruptivas, como o fechamento de escolas. O país estava sendo elogiado globalmente por sua abordagem tranquila para contenção do vírus. Na mesma época, um cidadão de Bangladesh de 39 anos, membro de um exército de quase 1 milhão de trabalhadores estrangeiros em Cingapura, desenvolveu sintomas do coronavírus.

Dias depois de adoecer, o trabalhador visitou uma clínica e um hospital em busca de ajuda, porém , o que apenas conseguiu foi ser enviado para casa a cada visita. A casa do trabalhador era um dormitório onde os cerca de dez homens dormiam  no quarto, dividindo banheiros e instalações de cozinha. Ele também visitou o Mustafá Center, um shopping center aberto 24 horas, popular entre trabalhadores migrantes e moradores locais. Foi somente em 7 de fevereiro que ele foi internado no hospital e, um dia depois, deu positivo para o vírus.

O paciente de Bangladesh era o de número 42 de Cingapura e o primeiro caso aparente entre trabalhadores estrangeiros de baixos salários nos dormitórios da cidade. Atualmente, as infecções entre trabalhadores migrantes representam mais de 70% das 9.125 infecções do país, e Cingapura está registrando aumentos diários recordes em sua contagem, com novos casos ultrapassando 1.000 na segunda e na terça-feira.

Fonte: Bloomberg

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 9 =