O caminho tortuoso para um mundo com baixa emissão de carbono

Duas enormes empresas de petróleo estão traçando caminhos diferentes através do movimento desigual em direção a fontes de emissão debaixo carbono. Ambas estão passando por novas – mas diferentes – formas de pressão e escrutínio

zero carbono

O Financial Times divulgou ontem que vários executivos de energia limpa deixaram a Shell “em meio a uma divisão sobre o quão longe e rápido a gigante do petróleo deve mudar para combustíveis mais verdes”.

Enquanto isso, a ExxonMobil, que rejeita as metas de emissões e diversificação dos pares europeus, enfrenta um novo impulso de investidores externos que buscam medidas mais fortes sobre o clima – incluindo novos membros do conselho.

Por que é importante: os balanços e o poder dos gigantes do petróleo significam que suas decisões influenciarão o ritmo do movimento global em direção a fontes mais limpas (embora também seja fácil exagerar sua influência).

A Shell, meses atrás, se comprometeu a se tornar uma empresa de “emissões líquidas zero” até 2050 e, durante anos, tem se mudado para as energias renováveis, carregamento de EV (veículo elétrico) e outros espaços fora do petróleo e gás, que continuam sendo seus produtos dominantes. Mas a Shell pretende fazer isso permanecendo um grande produtor de petróleo e gás natural por muito tempo.

O Financial Times relata: “Alguns executivos têm pressionado por uma mudança mais agressiva do petróleo, mas a alta administração está mais inclinada a se manter mais próxima do caminho atual da empresa.”

As saídas incluem: “Marc van Gerven, que chefiou os negócios de energia solar, armazenamento e eólica terrestre na Shell, Eric Bradley, que trabalhou na divisão de energia distribuída da Shell, e Katherine Dixon, líder em sua equipe de estratégia de transição energética.”

Uma tendência nos últimos anos são os funcionários de gigantes corporativos, incluindo Amazon e Microsoft, pressionando por políticas climáticas mais fortes – e tornando públicas as críticas. Portanto, fique de olho em se e em quanto isso se tornar uma coisa corriqueira no setor de petróleo e gás.

Esta semana também está trazendo uma nova pressão sobre a Exxon, devido ao ressentimento dos investidores por seu desempenho financeiro nos últimos anos e à preocupação relacionada de que sua postura climática a deixe mal posicionada.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − dois =