Guaydó declara que está pronto para aprovar intervenção militar na Venezuela

fotos

O oposicionista, chefe da Assembléia Nacional, Juan Guaydó, que se declarou o presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro, disse que poderia aceitar a intervenção militar dos Estados Unidos.

“Se a intervenção resolver a crise, eu posso aceitá-la”, disse ele em entrevista ao jornal italiano La Stampa.

Além disso, Guaydó não exclui que a oposição venezuelana recorra à assistência militar externa para derrubar o atual governo socialista.

“Esta é uma das possibilidades, estamos falando sobre o caminho através das eleições, mas as pessoas estão sofrendo, e temos que considerar todas as opções”, disse o oposicionista.

Segundo ele, as unidades estrangeiras estão presentes na Venezuela no momento – e esses são os militares cubanos que apoiam o presidente Nicolás Maduro.

Falando da fracassada tentativa de golpe de 30 de abril, Guaidó disse que agora a oposição “terá mais oportunidades porque mais e mais pessoas estão se juntando à Operação Liberdade” para mudar o governo na Venezuela.

Em 30 de abril, a oposição venezuelana fez outra tentativa de golpe. Guaydó e seus partidários se encontraram em Caracas, em frente à base aérea de La Carlota, e conclamaram o exército e as pessoas a derrubarem o legítimo presidente Nicolás Maduro.

O empreendimento não foi coroado de sucesso, mas provocou motins na capital, como resultado do qual 5 pessoas morreram, centenas sofreram ferimentos. Quando a oposição tentou tomar a base aérea de La Carlota, oito policiais foram baleados e feridos. Durante os protestos de 30 de abril e 1 de maio, 233 pessoas foram presas. Além disso, 55 oficiais e soldados foram demitidos das forças armadas por participarem da insurgência. Entre eles está o chefe do destacamento da Guarda Nacional Bolivariana que vigia o Palácio do Parlamento Ilyich Sánchez Farias, que “enganou sua unidade” enviando soldados para ajudar Guaydó. Além disso, o chefe do serviço de inteligência SEBIN, general Manuel Christopher Figuera, que agora está foragido, foi acusado de traição. Os EUA retiraram sanções ao general após sua participação na rebelião.

Related Posts
Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Um ultimato ultraortodoxo e o futuro do estado “judeu”
fotos

O cisma cada vez maior entre as comunidades seculares e ultraortodoxas de Israel tem impacto não só no bem-estar militar [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!