Guerra nuclear EUA-Rússia mataria 34 milhões de pessoas em poucas horas e é cada vez mais provável, conclui estudo de Princeton

guerra nuclear

Mais de 90 milhões de pessoas seriam mortas ou feridas em uma guerra nuclear entre os EUA e a Rússia se um conflito convencional fosse longe demais, de acordo com uma nova simulação criada por pesquisadores.

Tal cenário se tornou “dramaticamente” mais plausível nos últimos dois anos porque os dois países abandonaram o apoio às medidas de controle de armas, segundo uma equipe da Universidade de Princeton.

A simulação, resultado de um estudo do programa de Ciência e Segurança Global de Princeton (SGS), sugere que 34 milhões de pessoas seriam mortas e 57 milhões feridas nas primeiras horas de uma conflagração nuclear total – sem contar as que ficaram doentes por precipitação radioativa e outros problemas de longo prazo.

Na animação, trilhas eletrônicas de mísseis balísticos cruzam a tela, antes de cair em formando discos brancos.

A destruição mundial incluiria a incineração nuclear da Europa, que os cientistas de Princeton alegaram que poderia ser provocada pela escalada de uma guerra convencional entre a Rússia e a Otan.

Eles dizem: “Na esperança de deter um avanço EUA-OTAN, a Rússia lança um tiro de alerta nuclear de uma base perto da cidade de Kaliningrado. A OTAN retalia com um único ataque aéreo nuclear tático.

“À medida que o limiar nuclear é ultrapassado, a luta aumenta para uma guerra nuclear tática na Europa. A Rússia envia 300 ogivas nucleares por meio de aeronaves e mísseis de curto alcance para atingir as bases da OTAN e as tropas em avanço. A OTAN responde com aproximadamente 180 ogivas nucleares por meio de aeronaves.”

Depois disso, centenas de ataques adicionais são feitos em ambos os lados contra forças nucleares militares. No vídeo, as listras vermelhas da Rússia se erguem do solo momentos antes que a chuva de azul da América destrua áreas do país; em seguida, as bombas de Moscou caem nos EUA a partir de costa à costa.

Mais tarde, Washington e Moscou teriam como alvo centros populacionais, com até 10 mísseis por cidade de seus arsenais de submarinos restantes.

A SGS afirma que o vídeo é “baseado em posturas de força reais, alvos e estimativas de fatalidade.” A primeira explosão nuclear simulada parece ocorrer apenas dentro da Polônia, perto de Wroclaw e das fronteiras com a Alemanha e a República Tcheca.

Fonte: Independent

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 12 =