Julio Antonio Mella: A vida palpitante de um revolucionário

Há 91 anos, por volta das 22 h do dia 10 de janeiro de 1929, dois tiros na Cidade do México, tentaram silenciar a voz do líder revolucionário

Julio Antonio Mella foi morto pelo ódio da ditadura de Gerardo Machado quando ele tinha apenas 25 anos. Ele estava no México em preparação para uma expedição que o retornaria a Cuba para se juntar à luta pela independência.

O proeminente revolucionário cubano havia criado uma marca tão visceral na juventude da ilha que nem mesmo em outras terras Machado estava em paz. Havia preocupação constante com a vida de Mella porque era sinônimo de revolucionar tudo, de luta constante contra as injustiças que Cuba vivia.

Eles interromperam sua vida quando ele tinha muito o que fazer, porque sua força e impulso nunca vacilaram. Há 91 anos, dois tiros na Cidade do México, por volta das 22 horas de 10 de janeiro de 1929, tentaram silenciar a voz, mas Mella, como Fidel Castro disse anos depois, havia feito tanto em tão pouco tempo.

Suas duas curtas décadas de existência foram tão agitadas quanto emocionantes foram suas idéias para tornar Cuba um país livre. Embora seu pensamento político e revolucionário tenha transcendido as salas de aula da universidade, foi na Universidade de Havana onde ele alcançou um boom extraordinário.

Em 30 de setembro de 1921, ingressou na carreira de Direito e Filosofia e Letras desta Casa de Altos Estudos, onde se destacou como líder estudantil. Lá, ele fundou a Universidade Popular “José Martí” para que os trabalhadores também estivessem ligados ao trabalho universitário.

Seu profundo pensamento contra a política hostil dos Estados Unidos em relação a Cuba deu origem a Liga Anti-imperialista das Américas.

Da mesma forma, ele criou a atual Federação de Estudantes Universitários ( FEU ), em 1922 e foi o promotor do Primeiro Congresso Nacional de Estudantes, no qual foram estabelecidos os direitos e deveres dos estudantes, e a interferência dos Estados Unidos nos assuntos internos de Cuba foi condenada. . Juntamente com Carlos Baliño, ele criou o Partido Comunista de Cuba em 1925.

“A história de sua vida é tão comovente, dinâmica, combativa e profunda!”, Disse Fidel Castro, referindo-se ao líder estudantil da universidade.

Por suas idéias políticas, ele foi para o exílio no México, após a greve de fome que protagonizou enquanto sofria na prisão em Cuba.

“Sua personalidade extraordinária, suas ideias e sua combatividade amedrontaram demais o imperialismo ianque, a oligarquia a serviço desse imperialismo e a tirania machadista; eles não pararam até implementar a trama que culminou no assassinato covarde em 10 de janeiro de 1929. Eles eliminaram esse talento extraordinário, essa vida frutífera, no auge de sua existência ”, afirmou o comandante em chefe.

Cidade do México. Dois tiros que mataram a quem Machado – ao se referir ao próprio Mella – considerava mais perigosos nas terras astecas do que na ilha que o viu nascer. Seu assassinato causou consternação por toda Cuba. Com apenas 25 anos, Mella tornou-se um exemplo para os revolucionários e estudantes de um país sob a opressão da tirania machadista.

Dizem que suas últimas palavras foram: “Machado mandou me matar … eu morro pela Revolução “. Mas Mella sabia, porque assim ele sentenciava, que “mesmo após a morte, somos úteis”.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =