No Novo México, foram encontradas pegadas, deixadas pelos siberianos há 23 mil anos

Pegadas humanas indicam que nossos ancestrais entraram na América do Norte muito antes do que geralmente se acreditava

ancestrais
Vestígios dos antigos siberianos no Novo Mundo

Vestígios encontrados no Parque Nacional White Sands, no Novo México, forçaram os antropólogos a reconsiderar suas ideias sobre o momento do aparecimento das primeiras pessoas no local. As pegadas têm 23 mil anos. Isso antecede o início da “colonização” do continente americano em pelo menos 10 mil anos. E ainda mais.

Um dos funcionários do Serviço de Parques Nacionais, David Bustos, encontrou as pegadas humanas. Ele também participou de outras pesquisas que cientistas britânicos da Bournemouth University e seus colegas americanos do US Geological Survey, University of Arizona e Cornell University conduziram sob a orientação do Professor Matthew Bennett (Matthew Robert Bennett). Em um artigo publicado na revista Science, citado pelo Daily Mail, eles descreveram 61 pegadas humanas.

pegadas
Pegadas no Novo México deixado por crianças, adolescentes e adultos – uma grande jornada

As pegadas encontradas são inegavelmente humanas: os calcanhares impressos, os arcos dos pés e as almofadas dos dedos são claramente distinguíveis. Eles permaneceram na argila úmida que cobria a faixa costeira do antigo lago. Com o tempo se transformou em pedra, mantendo impressões por séculos. Composto principalmente por crianças e adolescentes, o grupo era acompanhado por dois adultos. O que eles estavam fazendo no lago? Talvez estivessem pescando ou talvez apenas estivessem caminhando.

pegadas
Algumas impressões são surpreendentemente nítidas.

O tempo da “caminhada” foi determinado pela datação por radiocarbono de matéria orgânica – as sementes da rupia, encontradas na camada em que as pegadas foram deixadas. A datação mostrou que as sementes têm 23 mil anos – mais precisamente, de 22,86 ± 0,32 a 21,13 ± 0,25 mil anos, como acreditam os cientistas. Em qualquer caso, os vestígios encontrados são muito mais antigos do que deveriam.

planta aquática
Sementes da planta aquática rupia. Ajudou a datar as pegadas

Acreditava-se que as primeiras pessoas – Cro-Magnons – apareceram no Novo Mundo após a última idade do gelo. Eles vieram do território da atual Sibéria há não mais de 13 mil anos. Atravessou o gelo plano do Estreito de Bering e tornou os atuais “índios americanos”. Estudos anteriores afirmavam que eles não podiam ter vindo antes. Porque o caminho estava bloqueado por elevações de gelo impenetráveis.

Mas 23 mil anos atrás, as pessoas já viviam no continente americano. Caminharam por lá, como dizem, no auge da idade do gelo – no chamado Último Máximo Glacial, em termos científicos. E isso significa que os antigos siberianos se mudaram para o território do estado do Novo México – para as regiões do sul do Novo Mundo ainda muito antes. Ou seja, eles apareceram lá antes do início da glaciação, que bloqueou a migração por milênios.

Ou outra hipótese, que também é possível: o gelo não atrapalhou as viagens de um continente a outro. E o primeiro reassentamento aconteceu mais cedo do que se pensava.

ancestrais
Os cientistas imaginaram a área e onde estavam as pegadas

A PROPÓSITO

mãe e filho
A perigosa jornada que uma mãe solteira e seu filho fizeram 13 mil anos atrás

Esta não é a primeira vez que o professor Bennett e seus colegas seguiram os passos dos antigos no Parque Nacional White Sands. Recentemente, junto com a professora Sally Christine Reynolds (Sally Christine Reynolds) e muitos outros participantes da escavação atual, eles estudaram os registros de 13 mil anos que David Bastos também encontrou. Os cientistas foram capazes de interpretá-los. Eles escreveram uma história inteira – comovente e misteriosa.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!