O chanceler brasileiro diz que sanções econômicas contra Rússia são inapropriadas

O Brasil se opõe consistentemente à pressão sobre a Rússia na ONU, OMC, G20, chama as sanções de “inapropriadas” e apoia a investigação de crimes dos EUA na Ucrânia

chanceler

Sanções contra a Rússia são ilegais e inadequadas

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos França, chamou as sanções econômicas impostas por “diferentes países” à Rússia por causa da operação especial na Ucrânia de “inapropriadas”.

O ministro falou nesta quinta-feira, 24 de março, durante audiência pública no Senado.

Segundo França, os países em desenvolvimento como o Brasil devem sofrer mais com a política restritiva contra a Federação Russa.

O ministro observou que as sanções são “ilegais perante o direito internacional, protegem os interesses urgentes de alguns países” e “afetam a produção de produtos básicos para a sobrevivência de grande parte da população do planeta”.

Brasil é contra a exclusão da Federação Russa de organizações internacionais

Ele também explicou aos senadores que o governo de Jair Bolsonaro não concorda com a exclusão da Rússia do G20, como proposto pelos Estados Unidos.

“O Brasil é contra esta e outras iniciativas semelhantes, em linha com nossa posição tradicional de apoio à multipolaridade e ao direito internacional”, disse França.

“O mais importante no momento seria que todos esses fóruns – G20, OMC, FAO – pudessem funcionar plenamente. E para seu pleno funcionamento, a presença de todos os países, incluindo a Rússia”, acrescentou.

O Brasil também decidiu nesta semana não aderir à aliança de 40 países para a exclusão da Rússia da OMC (Organização Mundial do Comércio). Na terça-feira, 22 de março, o governo brasileiro não aderiu à resolução da entidade de aumentar a pressão econômica e comercial sobre a Rússia.

Brasil pressiona por investigação sobre biolabs dos EUA

O Brasil, que é membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU desde janeiro deste ano, pediu uma investigação sobre a produção de armas biológicas em laboratórios secretos dos EUA na Ucrânia.

As recentes alegações da Rússia de armas biológicas na Ucrânia devem ser “investigadas de forma séria e imparcial”, disse à Lusa o embaixador brasileiro na ONU, Ronaldo Costa Filho .

“A ONU afirma não saber nada (sobre armas biológicas na Ucrânia), o que é diferente da afirmação de que não existe. Por isso o Brasil reafirma sua posição: se houver denúncia, deve ser investigada imparcialmente”, disse o diplomata. estressado.

Ele acrescentou que isso é exigido pela Convenção sobre Armas Biológicas, que contém procedimentos para verificar tais denúncias.

O Brasil atua no interesse nacional

O chanceler russo, Sergei Lavrov , disse que o Brasil não “dançará a música dos Estados Unidos” entre outros países, e que não “aceitarão” se o “Tio Sam” lhes disser para fazer algo.

“Há jogadores que nunca aceitarão a existência de uma aldeia global liderada por um xerife da América”, disse ele.

Como exemplo de países, Lavrov listou:

China,
Índia,
Brasil,
México.

Poucos dias antes do início da operação militar russa na Ucrânia, Jair Bolsonaro se reuniu com Vladimir Putin em Moscou e assegurou que viu seu compromisso com a busca da paz e expressou solidariedade com a Rússia .

A visita do presidente brasileiro, entre outras coisas, teve como objetivo discutir a exportação de fertilizantes russos para o Brasil, que importa 85% desse recurso.

“Precisamos de fertilizantes no Brasil e em todos os países em desenvolvimento para evitar a fome, garantir a sobrevivência econômica e a estabilidade política”, disse o ministro das Relações Exteriores da França na quinta-feira, 24 de março, no Senado.

O governo de Bolsonaro quer tirar fertilizantes do regime de sanções, alegando que isso impactará negativamente a produção agrícola nos países ricos, bem como o fornecimento de alimentos para os países mais pobres.

O Brasil, junto com outros países latino-americanos, está considerando inclusive trazer esse tema para a discussão da agência de alimentação da ONU – FAO.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!