“O Comportamento dos Ladrões”. Por que os EUA tiraram dinheiro dos afegãos

roubo
© REUTERS / Kevin Lamarque

Joseph Biden decidiu doar dinheiro do banco central afegão mantido nos EUA para as famílias das vítimas dos ataques de 11 de setembro, embora nenhum dos agressores fosse afegão. Houve indignação em Cabul, centenas de manifestantes nas ruas. Mas, por que a Casa Branca optou por isso?

Metade para você, a outra metade para nós

O presidente dos EUA assinou um decreto bloqueando US$ 7 bilhões das reservas cambiais do Afeganistão mantidas em bancos americanos. Três e meio serão enviados às famílias e parentes dos mortos em 11 de setembro de 2001. A outra metade vai para organizações humanitárias afegãs.

Até agora, esses ativos foram transferidos para uma conta especial no Federal Reserve Bank de Nova York. A permissão deve ser emitida por um tribunal estadual.

Cabul tem mais de nove bilhões de dólares em reservas de ouro e divisas. Sete são armazenados nos EUA, o restante – na Alemanha, Emirados Árabes Unidos e Suíça. Washington observou repetidamente que as autoridades afegãs coletaram esses fundos nos últimos vinte anos, em grande parte graças à assistência americana.

O decreto de Biden foi condenado na ONU. O secretário de imprensa do secretário-geral, Stéphane Dujarric, pediu a liberação dos bens. Isso já foi solicitado antes, mas em vão.

Moscou também protestou. “Por que o povo afegão, que de forma alguma participou da organização desses ataques terroristas, agora tem que pagar por eles?” Disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, indignada.

Protestos foram realizados em Cabul e Jalalabad. “Pare de brigar com o povo afegão!”, “Os EUA e seus aliados devem pagar pelo assassinato de milhares de afegãos e pela destruição do Afeganistão!” – diziam os cartazes carregados por manifestantes.

Pequim reagiu ainda mais forte. “O comportamento dos ladrões. Isso confirma mais uma vez que a ordem mundial defendida pelos Estados Unidos não protege os direitos dos fracos e a justiça, mas apenas apoia a hegemonia de Washington”, disse o Ministério das Relações Exteriores da China.

Fonte: RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!