Os Estados Unidos ante o deslocamento do eixo geopolítico global

Não foi surpresa que, como primeira iniciativa de política externa do presidente Joe Biden, nas condições do capitalismo neoliberal pós-globalização, em meio da pandemia e com o declínio acelerado da antiga potência hegemônica, tenha sido apresentada pelos EUA-OTAN, na reunião do G-7, a iniciativa «Reconstruir Melhor para o Mundo», com o objetivo explícito de contrariar o projeto de desenvolvimento econômico chinês Um Eixo, Uma Rota

hegemonia

Já se foram os anos 80 e 90 do século passado em que o neoliberalismo, a globalização e o mundo unipolar liderado pelos Estados Unidos levaram o planeta por caminhos imprevistos, enquanto a academia debatia se a «modernização» da China era sinônimo de «norte-americanização», se realmente sua «abertura» era apenas para abrir suas portas aos Estados Unidos, ao seu mercado e à sua filosofia consumista e à aceitação da imposição da «democracia ocidental»… ou se o contrário estivesse realmente acontecendo. Também muito atrás ficaram o fim da URSS, as terapias de choque, a privatização e a corrupção generalizada dos anos Ieltsin, que levaram a Rússia ao colapso no final do século… e também a seu ressurgimento.

Esses foram os mesmos anos em que ocorreram mudanças — também impulsionadas pelo neoliberalismo — com o fortalecimento temporário do capitalismo global, que nos primeiros anos do novo século exibiu o melhor desempenho de sua história — se apenas fossem considerados os números — com os mais baixos nivela de inflação desde 1960, com o declínio da pobreza e a ascensão da classe média.

E tudo aconteceu porque o pensamento único neoliberal, o do «fim da história» segundo Fukuyama, desregulamentou as economias em escala global, privatizou grandes empresas estatais e paraestatais, desmontou sistemas de proteção trabalhista, arruinou concorrentes locais, promoveu blocos de integração assimétrica e instaurou a era da financeirização da economia e das operações especulativas realizadas em escala planetária… que permitiram que a economia mundial se tornasse ainda mais dependente da norte-americana e permitiram aos Estados Unidos manter e ainda aumentar sua riqueza baseada em gastos, dependência e sua dívida para com o resto do mundo.

Mas tudo isso levou à crise de 2007-2008 — o começo do fim do «fim da história», que começou com o colapso do mercado imobiliário — não só nos Estados Unidos, mas também na Europa — que arrastou os gigantes paraestatais à crise bancária, à crise do mercado de ações e à «solução» encontrada para o desastre: a injeção pelos bancos centrais de dezenas de bilhões de dólares para aumentar a liquidez, a redução das taxas de juros, a restituição de impostos, incentivos fiscais e outras ações do mesmo teor

As «soluções» encontradas promoveram então o processo de financeirização da economia e a geoestratégia globalizante concebida para responder aos interesses da plutocracia dominante (1%, 0,01%, 0,001%…?) a tornou cada vez mais transnacional; os Estados-nação encarregados de executar tal estratégia, cada vez mais a serviço das grandes empresas transnacionais, não só não contribuíram para resolver os problemas existentes, estabilizar os mercados, aumentar sua eficiência e resolver os problemas de pobreza, desigualdade e desemprego, do aquecimento global… mas exacerbaram as contradições do sistema, particularmente as dos Estados Unidos, ao acelerar o processo de deslocamento do eixo geopolítico global para a região da Ásia-Pacífico.

E para evitar o acima exposto, veio o trumpismo, que com seus slogans de «América primeiro» e «Tornar a América grande novamente», reconheceu implicitamente o declínio da superpotência e o inatingível do «sonho americano» para seus cidadãos. Só que o trumpismo, ao invés de resolver, exacerbou os problemas existentes, aprofundou a divisão do país e deixou clara a perda de sua liderança global, que se manifestou nas contínuas agressões, no tratamento arrogante e desdenhoso de seus aliados, na interferência em seus assuntos internos e o desrespeito aos acordos, convenções e normas do Direito Internacional.

E porque salvamentos e «soluções» eram necessários novamente, Joe Biden tornou-se presidente dos Estados Unidos após anunciar que sua maior prioridade seria reconquistar a liderança do mundo (não é necessário voltar à lição de «democracia» oferecida pela nação do Norte, incluindo o ataque ao Capitólio).

Sabendo da prioridade, não foi surpresa que, como primeira iniciativa de política externa do presidente, nas condições do capitalismo neoliberal pós-globalização, em uma pandemia e com o declínio acelerado da antiga potência hegemônica, tenha sido apresentada pelos EUA-OTAN, na reunião do G-7, a iniciativa «Reconstruir Melhor para o Mundo», com o objetivo explícito de contrariar o projeto de desenvolvimento econômico chinês Um Eixo, Uma Rota.

Tampouco foi estranho, na iniciativa norte-americana, constatar que nela – supostamente voltada para a melhoria da infraestrutura de países de «renda média e baixa» — estava claramente a ideia reiterada por seu presidente de «liderar o mundo de novo» e, na própria ideia está implícita a concepção geopolítica da excepcionalidade dos Estados Unidos e de seu destino manifesto, o que nem mesmo questiona se esse destino é vantajoso hoje para os países europeus e para o Japão, que se submetem a uma ordem geopolítica regida por um pouco confiável parceiro que equilibra o nacionalismo trumpista (com ou sem Trump) e a globalização limitada e protecionista contida no Compre Americano, promovido por Biden; nem se é conveniente para o Ocidente se isolar do banqueiro (como Hillary Clinton chamou a China) e de um mercado de mais de 1,4 bilhão de pessoas, considerado hoje o motor da economia mundial.

A questão é que os líderes dos países do G-7 não podem ignorar que os Estados Unidos hoje estão muito longe da posição que ocupavam na época da unipolaridade. Os dados o colocam na 28ª colocação no índice de progresso social que mede saúde, segurança e bem-estar em todo o mundo, por ser um dos únicos três países, entre 163, que caíram no índice de bem-estar na última década; além disso, no Anuário de Competitividade Mundial, o Banco Mundial o classificou em 35º entre 174 países.

O anterior explica suficientemente a necessidade dos planos para restaurar o potencial norte-americano: Plano americano de Resgate, Plano Americano de Emprego e Plano Familiar, anunciados pelo presidente Biden, no valor de mais de 6,5 bilhões de dólares, que deveriam ser executados com produtos oriundos do mundo e financiado por meio de endividamento, como pode ser visto no site da Casa Branca: «Construindo cadeias de suprimentos resilientes, revitalizando a manufatura americana e promovendo um crescimento amplo» e, em parte, aumentando a carga tributária sobre os mais ricos. Todos os planos que já tiveram que ser reduzidos e postergados (inclui aqui o aumento do salário-hora prometido por Biden) porque não tiveram apoio suficiente da elite republicana.

A reunião do G-7 terminou com a Cúpula da OTAN (30 países) em que, naturalmente, juntamente com a afirmação de Biden de que os EUA estavam de volta e o consenso sobre a necessidade de aumentar o financiamento conjunto das operações militares, não houve receios sobre considerar a Rússia como «o principal inimigo», sobre o qual o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, destacou que as relações estavam em seu ponto mais baixo desde a Guerra Fria e que ela representava uma ameaça à segurança da aliança.

A China também se tornou a protagonista do encontro porque, segundo Stoltenberg, a nação asiática «está expandindo rapidamente seu arsenal com mais ogivas nucleares e um número maior de sistemas de lançamento sofisticados. É opaca quanto à modernização militar (e) está cooperando com a Rússia, inclusive com exercícios na área euro-atlântica».

E embora não haja surpresas na coincidência entre o assinalado na reunião da OTAN, com o Comunicado da Casa Branca de 13 de junho, «Revitalizando a aliança transatlântica, nem com o apelo de Biden sobre «o aumento do poder global de Pequim, pois constitui um desafio de segurança que está tentando enfraquecer o sistema global baseado em regras», se provocam alarme as contínuas provocações da OTAN, que depois da reunião se incrementaram e conduziram o mundo a uma segunda e ainda mais perigosa Guerra Fria.

Fonte:Granma

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!