Preso o último acusado pelo massacre de Trelew

Guilhermo Bravo tem 78 anos e é tenente aposentado da Marinha argentina. Ele foi preso pela Interpol em Miami. Ele é acusado de sequestros, tortura e homicídios cometidos em 1972.

Quarenta e sete anos depois, o único fugitivo remanescente dos fuzilamentos clandestinos de presos políticos em 1972 foi preso nos Estados Unidos, conhecido como Massacre de Trelew. Guillermo Bravo, tenente aposentado da Marinha, protegido por autoridades americanas por anos, foi preso no aeroporto de Miami, prestes a pegar um avião para o Chile. Bravo é acusado de ser um dos soldados que atiraram em presos políticos na Base do Almirante Zar na cidade de Trelew, província de Chubut. O miitar mora nos Estados Unidos há quarenta anos e tem cidadania naquele país.

Bravo é acusado de “privação ilegítima de liberdade, tortura e homicídios agravados”, que foram cometidos após uma fuga de presos políticos da prisão de Trelew. A investigação judicial foi realizada pelo juiz Hugo Sastre, que em 2006 abriu novamente o caso a pedido das famílias das vítimas, para que o caso fosse reconhecido como um crime contra a humanidade. O andamento do caso determinou que, em 2012, o contra-almirante Horacio Mayorga, o ex-chefe de base Roberto Horacio Paccagnini, o capitão Jorge Del Real e o capitão Luis Sosa, a quem á acusado como um dos executores e ideólogos do plano, foram condenados também, Cabo Carlos Marandino e capitão de Jorge Jorge Enrique Bautista. Bravo foi o único acusado que sempre conseguiu evitar a justiça argentina.

Juntamente com os outros réus, alguns falecidos após serem condenados, Sastre acusa Bravo de ter participado do fuzilamento de 16 presos políticos que eram membros de organizações que lutavam contra a ditadura na década de 1970. Em 22 de agosto, 25 prisioneiros haviam escapado, dos quais seis conseguiram embarcar em um avião com destino a Santiago do Chile e 19 ficaram cercados no aeroporto. Após uma árdua negociação e falar com um juiz, foram prometidos que eles não seriam transferidos para a Base do Almirante Zar, pois estavam convencidos de que seriam mortos. Finalmente, os militares e o juiz violaram o acordo e os levaram à base da Marinha. Por dois dias, eles foram mantidos em condições aceitáveis, até que no turno do capitão Sosa começar a hostilizá-los. No meio da madrugada eles fizeram sair das celas e os fuzilaram no corredor.

Dezesseis dos detidos foram mortos na madrugada, enquanto três ficaram gravemente feridos, mas conseguiram sobreviver. Ricardo René Haidar, Maria Antonia Berger e Alberto Miguel Camps contaram o que aconteceu e, a partir de seus depoimentos, Francisco Urondo escreveu o livro La patria fusilada , em 1973.

Bravo, 78 anos, havia sido enviado pela Marinha da Argentina para a Embaixada em Washington, onde permaneceu para morar e em 1983 obteve a cidadania americana. Lá, ele se tornou um bem-sucedido empresário de serviços de saúde e provedor do Pentágono. Isso lhe rendeu a defesa e a proteção do estado dos EUA quando em 2008 foi requerida a sua prisão e extradição. Em fevereiro de 2010, ele foi preso em Miami, mas foi libertado dois meses depois, depois de pagar uma fiança de US $ 1,2 milhão. Quase cinquenta anos após os assassinatos, ele foi preso novamente em 28 de outubro pela Interpol no aeroporto de Miami.

Com Página 12

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 3 =