Junto ao povo, com o povo e pelo povo, a Revolução Cubana continua!

O General do Exército Raúl Castro Ruz e o Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, estão ao lado do povo.

povo cubano

Os primeiros raios do sol ainda não se filtraram e já milhares de cubanos, cerca de 100.000, estão de pé, reunidos em La Piragua, a poucos metros do calçadão de Havana, compartilhando o mesmo sentimento entre bandeiras e gritos: a convicção de que os revolucionários tem que defender sua revolução.

Não tantos quanto eles gostariam de estar lá. As condições epidemiológicas não permitem, mas junto com as pessoas, aqui reunidas, estão também as suas lideranças, a amamentação, na linha de frente do combate.

Este ato, também condenando o bloqueio e as tentativas desestabilizadoras do último domingo, 11 de julho, contou com a presença do General do Exército, Raúl Castro Ruz, líder da Revolução Cubana, o Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido e Presidente da República , Miguel Díaz-Canel Bermúdez, bem como outros membros do Bureau Político, do Secretariado e do Comitê Central, do Conselho de Ministros e líderes da União de Jovens Comunistas e outras organizações sociais e de massa.

líderes cubanos
Foto: José Manuel Correa

Bandeiras cubanas gigantes penduradas nas sacadas e edifícios próximos, e o símbolo se multiplica, ganha maior significado, nas mãos dos Habaneros aqui reunidos, agitando, repetidamente, a estrela que sempre será solitária.

Às aclamações «Por qualquer Canel, por qualquer coisa», «Yo soy Fidel» e «Patria o Muerte», ou trechos de canções de Silvio, o amanhecer rompe nesta parte da cidade e ao amanhecer, a convicção de que estamos aqui fora de amor à pátria, por aquela obra de imensa justiça social pensada por todos e para o bem de todos.

Hector Román sabe disso muito bem, que tem a profissão docente no coração e está aqui desde as 3 da manhã, com a sua foto de Raúl e a confiança de que, juntos, podemos continuar a construir o país que queremos.

A JUVENTUDE SEMPRE DARÁ O PASSO PARA A FRENTE DA REVOLUÇÃO

Neste ato de reafirmação, o líder juvenil Aylin Álvarez García destacou que Cuba tem lutado por sua independência em face das tentativas de anexação.

«O que se quer destruir aqui, agora, e apagar, vai além dos interesses ou motivações de um ou de outro. O plano é mais terrível e sinistro, quer acabar com a Revolução que tanto fez por todos e sustentou tanta dignidade.
A intenção é clara e o mal sai “, disse ele,” e “uma avalanche de ódio e interesses mesquinhos procuram transformar nossas ruas em um cenário de violência, destruição e morte.”

Eles vêm para tirar a paz que tanto nos distingue, a solidariedade que nos enche de orgulho e aquela vocação cubana de se sentir irmãos além das diferenças, das carências e das adversidades, advertiu.

A solução para nossos problemas nunca pode estar nas mãos de outra pessoa, ele lembrou.

Em suas palavras, destacou também que Cuba lutou por sua independência ante as tentativas de anexação, e como nos disse Fidel em agosto de 1995: “nem os jovens de hoje nem os que virão amanhã renunciarão a esta luta gloriosa, não só pela independência e liberdade, mas também pela igualdade e justiça.

PALAVRAS DE ENERGIA DO HERÓI ANTI-TERRORISTA GERARDO HERNÁNDEZ

Palavras enérgicas e inspiradoras foram pronunciadas no ato pelo Herói da República Gerardo Hernández, presidente dos Comitês de Defesa da Revolução, estrutura de bairro criada justamente para que o povo assumisse a defesa do país de qualquer rincão e para apoiar as tarefas mais diferentes da revolução com base na participação do cidadão.

Durante seu discurso, Hernández lembrou à nação o sentimento de orgulho nacional que transborda em cada cubano e o que somos capazes de fazer em defesa do país.

No meio desta brutal campanha de ódio ao nosso país, comentou, também tem havido desinformação, que ecoa mentiras, calúnias e notícias falsas. E o pior, advertiu, é que quiseram nos dividir, destruir a tranquilidade de nossos bairros, acabar com aquela paz com que vivemos durante toda a Revolução.

Ninguém é inimigo dos revolucionários por pensar de forma diferente, disse ele. «Mas este é um país de leis e os lacaios do imperialismo são os nossos inimigos, os que se deixam manipular, os que querem afectar a nossa segurança e a tranquilidade dos nossos filhos».

Da mesma forma, o herói cubano destacou a presença neste ato de moradores de La Güinera, 10 de Octubre, el Cerro …, municípios da capital, que entre outros, os inimigos apresentaram de forma distorcida e maliciosa, como se em nesses lugares eles também não tinham revolucionários.

Quando perguntado se havia pessoas desses lugares em La Piragua, o coro sólido de centenas de pessoas respondeu com um sim chocante.

PRESIDENTE DE CUBA: CUBA NUNCA SERÁ UMA TERRA DE ÓDIO

Cuba nunca será uma terra de ódio. Assim disse o Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, diante dos milhares de cubanos que se reuniram neste sábado em La Piragua, a poucos metros do Havana. Malecón.

Com o apelo “Viva Cuba livre !, Livre de ingerências estrangeiras e do ódio que aqueles que estiveram segurando o pescoço da nação por 60 anos para explodi-la e agora querem se apresentar como nossos salvadores”, disse o Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Diaz-Canel Bermúdez, dirigiu-se aos milhares de cubanos que, desde muito cedo, se encontraram neste sábado em La Piragua de La Habana, em um ato de amor à Pátria e em defesa da Revolução.

«Cesse as mentiras, a infâmia e o ódio. Cuba é profundamente alérgica ao ódio e nunca será uma terra de ódio. Nada de bom é construído a partir do ódio, o ódio nos rouba tempo para amar “, disse ele.

Temos vivido nestes dias de ódio transbordante nas redes sociais – não tão sociais – que têm sido a companhia permanente de pais e filhos nestes longos meses de pandemia, a tal ponto que muitos passam mais tempo ligados à rede do que ligados a a família, aquela família que deve ser invulnerável diante de tudo que a ameaça, acrescentou.

Uma mãe, lembrou ela, me disse ontem que sua filha adolescente perguntou, com lágrimas nos olhos, se era Cuba, quando viu as imagens dos atos de violência que algumas de suas amigas compartilharam no Facebook. “Os donos dessas redes, os ditadores de seus algoritmos, abriram ao ódio, sem o menor controle ético, as comportas de suas poderosas plataformas”.

“É um ódio que fratura família, amigos, sociedade e ameaça levar muitos de nossos valores para o canto dos inúteis.” O bombardeio de imagens carregadas de violência, sangue e protestos, vandalismo, ameaças, assédio e repressão não conheceu um padrão nos últimos seis dias, enfatizou.

Díaz-Canel destacou que, nas semanas anteriores, um intenso trabalho de comunicação política foi realizado por uma grande plataforma de intoxicação midiática, financiada pelo governo dos Estados Unidos e pela máquina política da Flórida. Seu objetivo, destacou, é estimular a inquietação e a instabilidade no país, aproveitando as difíceis condições associadas à pandemia, o bloqueio intensificado e as mais de 240 medidas do governo Trump.

Durante esses dias, eles realizaram atos de guerra não convencional, convocando explosões sociais, violência, ataques a policiais, vandalismo e sabotagem, disse ele.

Para isso, utilizaram sistemas de inteligência artificial e cybertrops, e também contaram com a cumplicidade de uma poderosa transnacional que lhes permitiu violar seus próprios regulamentos com impunidade e desconsiderou as legítimas reclamações de usuários e de algumas agências de imprensa e meios de comunicação, alertou.

Assinalou que a televisão cubana destacou os objetivos desta campanha de reconstruir em seqüência os acontecimentos do domingo passado.

«Primeiro foram convocados os protestos, depois o falso relato dos acontecimentos foi construído para gerar reacções emocionais, de solidariedade com os manifestantes, e depois, as acções de vandalismo que ocorreram horas antes de desencadearmos o nosso improvisado aparecimento na televisão, ao regressarmos de San Antonio de los Baños ».

O caminho da infâmia é claro, disse ele. “A posteriori, todos os fatos são apresentados ao acaso como se fossem fruto de nosso legítimo apelo aos revolucionários para defender a Revolução”.

«A história pretende ser contada ao contrário. Não importa o que você disse, os apelos à unidade, paz e solidariedade entre todos não contam. A interpretação maliciosa é que uma guerra civil foi convocada. ‘

Podemos desmontar as chamadas notícias falsas, mostrar como toda a falsa realidade de Cuba foi fabricada em cenários virtuais, mas já causaram danos imensuráveis ​​à alma nacional, que tem entre seus valores mais sagrados a tranquilidade cidadã, a convivência, solidariedade e unidade, ele comentou.

“Estamos sob fogo contínuo de uma guerra cibernética, que inclui terrorismo cibernético e terrorismo de mídia em sua instrumentação agressiva.” As reclamações do chanceler não foram respondidas, não houve tentativa de resposta por parte das autoridades do governo republicano da Flórida, em relação aos votos atribuídos a esses projetos que visam atacar o país e seus possíveis meios de defesa, disse .

Informou que não só o Minrex, mas também o site oficial da Presidência, Cubadebate, Granma, Juventud Rebelde e praticamente todos os meios de comunicação públicos cubanos estão sofrendo ataques intermitentes, com negação de serviço em meio a uma feroz campanha de demonização por parte do cubano governo.

Os amigos de Cuba – frisou -, que sofrem e conhecem a manipulação e o silêncio, não podem acessar a mídia cubana.

No auge da mentira, destacou, são utilizadas imagens falsas, que foram bem documentadas por nossos jornalistas. Da mesma forma, incentiva-se o desprezo e a destruição de bens, assaltos e ataques, disse o presidente cubano.

“Neste momento, o que o mundo está vendo de Cuba é uma mentira, é um povo inteiro que se levanta contra o governo e um governo que reprime seu povo”.

Não é incomum que, diante desse bombardeio da mídia, surja alguma dúvida e ocorra uma separação, supostamente, que não existe, declarou. “Eu não julgo, não condeno, entendo que as armas do adversário são avassaladoras, mas ao lado do povo, com o povo e para o povo, a Revolução continua”.

Não com declarações, mas com fatos, disse ele. Quando o selo SOS Matanzas estava sendo pago no ciberespaço, ao lado de Matanzas e de toda Cuba, não foram vistos os promotores da intervenção humanitária, disse.

“Quem não ficou chocado ao ver que vândalos da pior espécie apedrejaram a enfermaria infantil do Hospital de Cárdenas, obrigando crianças e mães a se refugiarem nos banheiros ou sob as camas da instituição?”

Amanhã, disse ele, muitas histórias pessoais devem ser contadas sobre a reação popular ao ataque e assédio, de quanto as forças da ordem tiveram que se conter por causa do cuidado que delas é exigido para evitar excessos. Mas não se engane, a maioria das pessoas também pede que a violência acabe, disse ele.

“Compatriotas, nenhuma mentira foi levantada por acaso ou engano, tudo é calculado friamente de acordo com o manual da guerra não convencional.”

Também se referiu ao fato de que a ala dura do Congresso dos Estados Unidos está afiando seus dentes e exigindo que atuem agora contra Cuba.

“Nada disso é novo, eles já tentaram antes. É a sua maneira de colocar a administração adversária nas cordas e de tentar cumprir o propósito nunca alcançado de apagar do mapa “o mau exemplo” desta Ilha, decidida a permanecer soberana, independente, quando tantos se dobram às suas ordens ».

«Quase com o leite materno, os nossos pais nos incutiram um aviso de Marti:« os homens vão para dois campos, os que amam e descobrem, os que odeiam e desfazem ». Cuba continuará fundando, está fazendo isso agora mesmo com as duas primeiras vacinas latino-americanas, Abdala e Soberana.

Ele também está fazendo isso com outras notícias que o mal quis esconder, 100% de eficácia diante da gravidade e da morte que a terceira fase dos testes clínicos de Abdala provou, ele continuou.

Quando um povo chega tão longe na realização dos seus sonhos e na conquista de direitos que para metade do planeta são uma quimera, nem a violência nem o medo os detêm, afirmou.

Nada do que denunciamos, reconheceu, nos separa da necessária autocrítica, da retificação pendente, da revisão profunda de nossos métodos e estilos de trabalho, com a vontade de servir ao povo e longe da burocracia, dos obstáculos e insensibilidade de alguns.

“Hoje venho com o compromisso de trabalhar e exigir o cumprimento do programa que nos demos como governo e como povo”.

Estamos aqui reunidos, disse, também para denunciar mais uma vez o bloqueio, a agressão e o terror. «Não podíamos atrasar este encontro, o inimigo voltou a lançar-se com tudo para destruir a sagrada unidade e a tranquilidade da cidade. Ratificamos que Cuba é de todos ».

Compartilho sentimentos e reflexões, estados de espírito, disposição e convicções, disse ele. «Só podemos ter mais se criarmos mais. Alcançaremos o que nos propomos impulsionando, todos juntos, o trabalho. À frente, temos o imenso exemplo da ciência cubana, que foi proposta e alcançada em tempo recorde, e dificilmente sem recurso, duas vacinas e outras vacinas candidatas que nos permitem enfrentar o futuro com esperanças que outros povos não têm.

Se temos sido capazes de fazer algo tão colossal e difícil, não o seremos em outras áreas, ele aludiu. «E, sobretudo, quanto mais poderemos se articularmos os diálogos pendentes, resgatando o trabalho social, promovendo uma maior atenção aos setores vulneráveis, aos bairros, apoiados na experiência de trabalho que o Comandante em Chefe deixou nós em anos desafiadores como estes “.

“A Revolução Cubana apagou para sempre as sementes do mal, do ódio, da desonra e do crime.” É importante, frisou, que procuremos as causas profundas da violência que faz surgir diante das necessidades, ao mesmo tempo que defendemos que predomine o gene dos justos, dos honrados, dos filhos felizes desta terra cubana. .

Só o amor transforma o barro em milagre, só o amor ilumina o que dura … Já cantamos mil vezes com o artista de Marti Silvio Rodríguez, lembrou. «Vamos colocar um coração na obra comum, um coração à medida das nossas dificuldades. Juntos podemos!”.

Viva a Cuba soberana, independente e socialista; uma Cuba de paz, de unidade, de solidariedade, de todos os cubanos que estão onde quer que trabalhem para vê-la avançar com as próprias pernas e braços para um possível destino de prosperidade, convocou.

A Cuba, à Pátria e ao Socialismo, coloquemos o nosso coração e venceremos, concluiu.

Fonte: Granma.cu

Compartilhar:

One thought on “Junto ao povo, com o povo e pelo povo, a Revolução Cubana continua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!