Cuba – Viva la vaccinación!

Cuba é o único país da América Latina que desenvolveu vacinas Covid-19 – e elas são altamente eficazes. O único problema é a capacidade de produção

cuba
Pixabay

Por Bert Hoffmann

São tempos difíceis em Cuba. A situação do abastecimento se deteriorou dramaticamente – até mesmo os alimentos básicos estão ficando escassos -, a moeda está perdendo valor, a raiva e a frustração ‘parte’ do público estão se transformando em protestos de rua e agora os números da Covid-19 também estão disparando. Em apenas 10 dias, o número diário de casos dobrou. Com mais de 3.500 infecções por pessoa, o sistema de saúde está passando por um teste de estresse. Ao mesmo tempo, porém, é a luta contra a Covid-19 que é a maior fonte de esperança. As vacinas desenvolvidas na ilha apresentam altos níveis de eficácia – não apenas em estudos clínicos, mas também na prática.

O governo de Havana correu um grande risco com sua decisão de maio de 2020 de não importar vacinas – nem da Rússia, nem da China, nem por meio da participação na plataforma de vacinas Covax. Em vez disso, os cubanos decidiram confiar exclusivamente no desenvolvimento de suas próprias vacinas. Muitos estavam céticos: por que a ilha do Caribe teria sucesso onde empresas farmacêuticas de bilhões de dólares fracassaram?

A explicação está no setor de biotecnologia de Cuba, que foi sistematicamente construído desde os anos 1980 como uma ilha de eficiência na economia socialista. Desde o início, o foco foi no desenvolvimento de vacinas, não só para consumo interno, mas também para exportação para países do Sul Global. É esta estrutura estabelecida de pesquisa e produção que permitiu a Cuba, em muito pouco tempo, preparar duas vacinas para o uso.

As duas vacinas altamente eficazes de Cuba

Ambos, ‘Abdala’ e ‘Soberana 02’, são baseados no método de vacina à base de proteínas que tem sido usado por décadas contra a poliomielite, o tétano e outros. Em contraste com as novas vacinas de mRNA da BioNTech e Moderna, esta é a tecnologia da ‘velha escola’. Mas tem grandes vantagens: as vacinas Covid-19 podem ser produzidas em fábricas existentes, a experiência indica poucos efeitos colaterais e nenhum resfriamento extremo é necessário.

Mas não é tudo: as vacinas também são altamente eficazes. Cientistas cubanos publicaram os resultados dos estudos de Fase III, segundo os quais Abdala alcançou uma eficácia contra doenças sintomáticas de 92,3 por cento após três doses, e. Soberana 02 igualmente impressionantes 91,2 por cento.

Os críticos questionam esses números, apontando para a falta de transparência e falta de documentação em revistas científicas. Na aplicação da vida real, esses números podem, de fato, receber alguns ajustes. Mesmo que os estudos de Fase III incluíssem mais de 40.000 pessoas cada, os números absolutos sobre os quais as taxas de eficácia são calculadas não são altos: Para Soberana-02, foram 5 casos de doença no grupo vacinado contra 51 no grupo placebo.

Vacinas cubanas vs. mutação Delta

Mas, além dos estudos, quanto à eficácia, a campanha de vacinação fala por si. A vacinação da equipe médica do país no início de março reduziu imediatamente o número de infecções entre os profissionais de saúde. Desde que a vacinação em massa começou em maio em Havana, esse padrão se repetiu entre a população em geral da capital cubana.

Mais de sete milhões de doses já foram administradas, a grande maioria delas em Havana, que foi o epicentro original das infecções. Em todas as outras províncias, a taxa de incidência está aumentando drasticamente. Enquanto isso, na capital, onde mais da metade da população já foi vacinada, o índice de infecção caiu à metade do pico.

Podemos ver, como em outros países com altas taxas de vacinação, um certo rebote nas taxas de infecção à medida que a agressiva cepa Delta está se espalhando rapidamente. Até agora, as vacinas cubanas parecem produzir boas respostas anticorpo também contra Delta, mas é muito cedo para dizer se – como com outras vacinas – as altas taxas de eficácia também são totalmente contra a nova mutação.

Um ensaio de Fase III da vacina Soberana 02 também foi conduzido no Irã, com 24.000 participantes. Como resultado, a vacina cubana já obteve aprovação emergencial naquele país. Em Cuba, a vacinação em massa tem ocorrido sem aprovação formal; apenas agora Abdala recebeu das autorização para o uso emergencial, e a autorização para Soberana 02 ainda está pendente. A autoridade reguladora cubana provavelmente fará isso apenas quando os dados disponíveis atenderem a todas as diretrizes e protocolos da OMS.

Exportando para aliados em todo o mundo

Além de superar a pandemia em seu próprio país, Cuba também espera exportar suas vacinas. Mas, no momento, Cuba enfrenta grandes obstáculos na expansão de sua produção de vacinas. Os 100 milhões de doses da vacina que antes haviam sido anunciadas para serem produzidas este ano permanecerão uma possibilidade teórica. Os ingredientes necessários tornaram-se extremamente escassos em todo o mundo porque as empresas em todos os lugares estão cada vez mais se concentrando no desenvolvimento de vacinas baseadas em proteínas – seja Novavax nos EUA, Sanofi / GlaxoSmithKline na Europa ou Anhui na China.

Mesmo que Cuba seja ‘soberana’ no desenvolvimento de sua própria vacina, como sugere o nome ‘Soberana’, não é o caso do equipamento a ser importado e dos ingredientes necessários. Além disso, como tudo em Cuba, há o pesado fardo do embargo dos Estados Unidos. Isso não apenas limita as oportunidades de aquisição de máquinas e insumos, mas as ameaças de Washington aos bancos internacionais transformam as transações financeiras com a ilha em manobras complexas e caras.

Como resultado, Cuba terá inicialmente o suficiente com a produção de vacinas para inocular sua própria população em todo o país. No entanto, como gesto de solidariedade, um carregamento inicial de 30.000 doses da vacina ‘Abdala’ foi enviado para sua aliada Venezuela, cujos embarques de petróleo para Cuba diminuíram, mas ainda são indispensáveis ​​para o abastecimento da ilha. Outros doze milhões de doses foram prometidos, mas nenhuma data foi dada para quando serão entregues.

Cuba também buscará novas oportunidades de exportação, preferencialmente com financiamento antecipado, além de acordos de licenciamento com países como Argentina ou Vietnã, que têm capacidade produtiva própria. No passado, a OMS comprou vacinas cubanas para suas campanhas de saúde em países do Sul Global e poderia fazê-lo novamente na atual pandemia. A médio prazo, as vacinas à base de proteínas, como as cubanas, também são adequadas para doses de reforço.

A crise econômica de Cuba continua

Por mais importantes que sejam essas perspectivas, as vacinas cubanas podem resolver a crise de saúde do país, mas não a econômica. Essa continua a ser a tarefa de uma agenda de reforma que visa estimular toda a economia e não apenas esperar que o setor de biotecnologia se torne uma vaca leiteira abundante.

A luta contra a pandemia em Cuba, como em outros lugares, é uma corrida contra o tempo entre o ritmo das vacinações, de um lado, e a disseminação do vírus e suas variantes, de outro. Se as coisas correrem bem, a campanha de vacinação trará alívio aos hospitais cubanos, retirando gradativamente o país das medidas de bloqueio e permitindo que se abra ao turismo internacional a tempo da importantíssima temporada de inverno. Antes da pandemia, o turismo era a indústria mais importante da ilha e suas receitas em moeda estrangeira são indispensáveis ​​para superar a crise atual.

Mas também além da ilha, o desenvolvimento de vacinas cubanas enfrenta vários desafios no mundo globalizado. Nesta era de cadeias de suprimentos globais, todas as ideias de ‘autossuficiência’ foram rapidamente descartadas como antiquadas. A pandemia forçou até mesmo as nações industrializadas ocidentais a aprender que não se pode confiar na globalização em tempos de necessidade. Sejam máscaras ou vacinas, quando as coisas ficam difíceis, não é apenas “America First”, mas cada país tende a olhar para si mesmo primeiro.

O fato de o setor de biotecnologia de Cuba ter conseguido desenvolver sua própria vacina, apesar dos recursos limitados do país, é simplesmente sensacional. Dado o recente aumento nas taxas de infecção, a sociedade cubana enfrenta tensões meses à frente. Mas, com o ritmo da atual campanha de vacinação, há boas razões para esperar que, no inverno, o país tenha alcançado um nível de imunidade que o tornará um dos primeiros na América Latina a atingir ‘tempos pós-Covid’.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!