Operação Floresta: como pegaram o maníaco mais perigoso da URSS

No início dos anos 80, a região de Rostov foi varrida por uma onda de assassinatos brutais. Nas mãos de criminosos, crianças, adolescentes e mulheres foram mortos. Os corpos mutilados foram encontrados em parques da cidade e cinturões florestais

fotos
© РИА Новости / Владимир Вяткин Перейти в фотобанк

MOSCOU, 6 de abril – RIA Novosti, por Victor Zvantsev. Cidadão X, “o Estripador de Rostov”, “um matador da floresta” – o maníaco Andrei Chikatilo tinha muitos apelidos. Por 12 anos, os melhores policiais, promotores, soldados e psiquiatras estavam procurando por ele. Um dos principais papéis na captura do criminoso foi desempenhado pelo investigador Viktor Burakov. No Dia dos Trabalhadores Investigativos do Ministério do Interior, a RIA Novosti conta como foi possível encontrar um dos assassinos seriais mais cruéis da União Soviética.

Vaselina, faca e corda

No início dos anos 80, a região de Rostov foi varrida por uma onda de assassinatos brutais. Nas mãos de criminosos, crianças, adolescentes e mulheres foram mortos. Os corpos mutilados foram encontrados em parques da cidade e cinturões florestais. O pico dos assassinatos veio em 1984 – 12 vítimas. No mesmo ano, a investigação de todos os casos semelhantes foi incorporada em um processo. De acordo com uma das suposições, o assassinato foi cometido por uma pessoa com deficiência mental.

Pacientes em hospitais psiquiátricos foram os principais suspeitos. Alguns doentes mentais estavam dispostos a admitir os crimes, mas tudo era ficção. Na opinião das pessoas, esse episódio da investigação foi chamado de “O caso dos tolos”.

Em setembro de 1984, na estação de trem de Rostov, a polícia deteve um engenheiro da cidade de Shakhty, Andrei Chikatilo, que tentava se aproximar das crianças em idade escolar. Um conjunto de estranhos objetos foram encontrado em sua pasta: uma faca, vaselina e uma corda. Chikatilo explicou que a faca sempre leva com ele em viagens de negócios para cortar a comida no hotel, e ele usa vaselina após o barbear em vez de creme.

Tomando amostras de sangue e esperma, Chikatilo foi libertado. O exame mostrou que o genótipo não coincidia com as amostras encontradas nos corpos das vítimas. Os investigadores estavam certos mas os especialistas que realizaram a análise cometeram um grave erro que custou a vida de duas dúzias de pessoas.

fotos
© РИА Новости / Владимир Вяткин Перейти в фотобанк – Andrei Chikatilo, estuprador em série e assassino

A lista de sangue derramado foi aumentada. A geografia dos crimes expandiu – corpos com lesões características foram encontrados não apenas na região de Rostov, mas também em outras regiões. Como se vê mais tarde, o maníaco estava empenhado em matar durante as viagens de negócios.

Pessoa discreta

Em 1986, os líderes do grupo investigativo desenvolveram a operação sob o nome de código “Floresta”, e o Comitê Central do PCUS (Partido Comunista da União Soviética) que assume o controle da liderança da investigação. Policiais de roupas civis patrulham as estações de trens elétricos e parques. Operários, patrulheiros e combatentes estão de plantão perto dos cinturões florestais. Um dos vigilantes estava o mesmo engenheiro Chikatilo.

fotos
Ponte de Grushevsky, cidade Shakhty, vista do leste. Em 24 de dezembro de 1978, o corpo da primeira vítima de Andrei Chikatilo, Elena Zakotnova de nove anos de idade, foi descoberto.

As forças de segurança deram uma atenção especial ao chamado triângulo de Rostov – a área entre as cidades de Rostov-on-Don, Shakhty e Novocherkassk. Ao longo do caminho, revelou cerca de mil crimes, mas o maníaco misterioso não caiu.

O investigador Viktor Burakov, que liderou um dos grupos, pediu ajuda ao psiquiatra Alexander Bukhanovsky na elaboração de um retrato psicológico do assassino. Segundo o especialista, o maníaco tinha família, trabalho estável, e ele tentava não se destacar da multidão. Encontrar um criminoso com esse perfil era extremamente difícil.

O colega Burakov, investigador do gabinete do promotor Issa Kostoev, na esperança de receber informações, é enviado a Novocherkassk, onde outro serial Anatoly Slivko, que matou sete adolescentes, estava aguardando a sentença de morte. No entanto, as recomendações de um maníaco não trouxe informações que ajudassem os agentes de segurança para a captura do “matador do cinturão florestal”.

fotos
© Foto: Comitê de Investigação da Rússia – promotor Issa Kostoev

“Confissão”

No início de novembro de 1990, um policial que estava de serviço perto da estação ferroviária de Donleskhoz prestou a atenção para um homem alto que saíra da floresta com um casaco e levava uma pasta nas mãos. Não parecia um coletor de cogumelos. Porém, não havia motivos para detenção, então o oficial de patrulha simplesmente escreveu dados pessoais e liberou o transeunte.

Poucos dias depois, perto da estação foi encontrado o corpo de uma menina. A natureza das lesões apontava claramente para um maníaco sexual. A atenção dos investigadores foi atraída pelo relatório do policial, no qual o nome familiar apareceu – Chikatilo.

Para o suspeito foi estabelecido vigilância severa. Os policiais verificaram que ele se comportava estranhamente – vagava pela cidade sozinho, importunando adolescentes e meninas. Decidiram então deter o engenheiro em um centro de detenção temporária. No entanto, nenhuma confissão foi conseguida pelos investigadores  e não havia evidência direta.

“Então, prendemos uma pessoa que havia sido condenada por fraude e colocamos na cela com Romanych (como as forças de segurança chamaram Chikatilo). Ele teria que ganhar confiança do maníaco e tentar falar com ele, conforme relata Viktor Burakov. “Segundo a lenda, o novo colega de cela tinha um advogado muito bom que poderia ajudá-lo. Ele então caiu nesse truque e nosso agente orientou ao companheiro de cela para pedir a Chikatilo que escrevesse sua biografia inteira e também contasse sobre os crimes cometidos.”
Alguns dias depois, cartas detalhando os assassinatos estavam na mesa de Burakov, mas o maníaco ainda estava em silêncio durante os interrogatórios.
fotos
© Foto: Ministério de Assuntos Internos da Federação Russa na região de Rostov Major-general da Polícia aposentado Viktor Vasilyevich Burakov
“O período de dez dias já estava expirando, durante o qual pela lei era necessário prender o detento ou libertá-lo”, – lembrou o investigador – Então me ofereci para enviar um psiquiatra Bukhanovsky para Chikatilo. -Ele passou o dia inteiro conversando com o maníaco, depois do qual ele confessou o primeiro assassinato cometido em 1978.

Pelo assassinato – Lena Zakotnova de nove anos – eles acusaram a princípio outra pessoa,  Alexander Kravchenko. Então Chikatilo contou sobre outros crimes – no total foram 53 vítimas.

No julgamento, ele tentou se retratar como doente mental, mas o exame psiquiátrico comprovou que era completamente são. O maníaco foi condenado à morte – e em 14 de fevereiro de 1994, a sentença foi cumprida.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!